A Família Robinson

Título original:
ふしぎな島のフローネ

Exibição:
1988/1989 (RTP 1)

Número de episódios:
50

Produção:
Nippon Animation (1980)

Versão portuguesa

Tradução:
Carlota Pracana

Som:
Alberto Monteiro

Vozes:
Canto e Castro – Sr. Morton
Carlos Freixo – Elliott
Carmen Santos – Jaime
Cristina Carvalhal – Flora
Francisco Pestana – Francisco (20-50)
Isabel Ribas – Mãe de Emília
João Lourenço – Ernesto
José Gomes – Pai de Emília
Luísa Salgueiro – Ana
Manuel Cintra – Francisco (01-19)
Teresa Sobral – Tom-Tom

Direção (interpretação):
João Lourenço

Produtor:
João Mota

Ernesto Robinson, um médico suíço, vive tranquilamente em Berna com a mulher (Ana) e com os três filhos (Francisco, Flora e Jaime). Esta estabilidade é posta à prova no dia em que Ernesto recebe uma carta na qual lhe propõem mudar-se para a Austrália, onde há falta de médicos. Depois de muito ponderar, Ernesto toma a decisão de partir com a família para o longínquo país.

Depois de uma longa viagem com escalas em Roterdão e Liverpool, quando já estão relativamente próximos do seu destino, abate-se sobre eles uma violenta tempestade, que culminará com o naufrágio do navio em que viajam, o Blackbone Rock. Todos os passageiros conseguem salvar-se nos barcos salva-vidas, exceto a família Robinson e o capitão do navio.

Ao amanhecer, os náufragos avistam uma ilha, para onde se dirigem numa jangada, levando consigo alguns animais, mantimentos e utensílios. Imediatamente descobrem que foram parar a uma ilha desabitada.

A partir daí, a sua luta diária passa por conseguirem manter-se com os escassos meios de que dispõem, sobrevivendo aos perigos e delineando uma forma de conseguirem sair da ilha.

Começam por construir um abrigo na praia, mas rapidamente percebem que, desta forma, estarão desprotegidos dos ataques noturnos dos animais selvagens.

Hábil e engenhoso, Ernesto leva a cabo a construção de uma casa no topo de uma árvore gigante, que será a residência da família durante um longo período. Ana planta uma horta, que lhes fornecerá grande parte do seu sustento.

Com a chegada da época das chuvas, a casa da árvore deixa de ser uma opção segura. Mudam-se, então, para uma gruta, que haviam descoberto durante um passeio.

Entretanto, chegam à ilha outros dois náufragos: o Sr. Morton, velho marinheiro, e um menino que o acompanha, chamado Tom-Tom.

Os perigos continuam a fazer-se sentir. Um tremor de terra fá-los entender que, se permanecerem ali por muito mais tempo, correm o risco de não sobreviver.

Com empenho e perseverança, a família Robinson e os dois camaradas constroem um barco, no qual depositam a esperança para o começo de uma nova vida, longe da ilha…

Ernesto
Médico suíço. É rico, mas ajuda pessoas sem recursos, que não têm possibilidade de pagar assistência médica. Recebe um convite para ir trabalhar para a Austrália, levando consigo toda a família.

Ana
Esposa de Ernesto. Senhora afável e delicada. Apresenta-se, de início, bastante medrosa, algo que se irá modificando no decorrer da sua permanência na ilha.

Flora
10 anos. É uma maria-rapaz. Curiosa e corajosa, gosta de participar em todas as atividades da família e encara a vida na ilha como uma aventura.

Francisco
15 anos. Irmão mais velho de Flora. Tímido e sensível, sonha em ser músico.

Jaime
3 anos. Irmão mais novo de Flora.

Mecre
Animal adotado pela família Robinson, depois de Francisco atingir a sua mãe a tiro. Um dos passatempos preferidos de Flora é brincar com ele.

Capitão
Responsável pelo navio Blackbone Rock, a bordo do qual viaja a família Robinson.

John
Cão pertencente ao Capitão. Sobrevive ao naufrágio e vai com os Robinson para a ilha.

Sr. Morton
Velho marinheiro. O seu barco naufraga também na ilha. Orgulhoso e rabugento, reclama de tudo. Aparece a partir do episódio 37.

Tom-Tom
Aborígene oriundo da Austrália. É o companheiro de viagem do Sr. Morton. Aparece a partir do episódio 37.

Emília
Jovem que viaja no mesmo barco que os Robinson. Desenvolve uma relação especial com Francisco, mas separam-se aquando do naufrágio.

Pai de Emília

Mãe de Emília

Avó de Emília

1. Uma carta
A família Robinson vive tranquilamente em Berna, até ao dia em que Ernesto, médico e chefe da família, é convidado a mudar-se para a Austrália, onde há falta de médicos. Flora fica bastante entusiasmada com a ideia, mas Francisco, o seu irmão mais velho, tem uma reação bastante menos favorável…


2. A partida
Flora continua eufórica com a ida para a Austrália e espalha a notícia por toda a cidade. A excitação é tanta que Flora passa noites inteiras sem pregar olho. Francisco continua a opor-se à mudança, mas Ernesto propõe à família uma solução que parece ser do agrado de todos. Alguns dias depois, chega a hora da partida…


3. O entusiasmo de Flora
Após uma passagem por Roterdão, a família Robinson dirige-se para Liverpool, onde irão apanhar o navio que os levará até à Austrália. Durante a viagem pelo Reno, comentam-se alguns factos históricos e os Robinson travam conhecimento com várias figuras interessantes, como um vigarista chamado Geraldo.


4. Em direção à Austrália
A família Robinson entra a bordo do Blackbone Rock, o barco a vapor no qual viajarão até à Austrália. Flora e Jaime fazem amizade com John, o cão do Capitão. Entretanto, um pequeno incidente leva o antipático Sr. Edward a indispor-se com Ernesto. Mas, rapidamente, a situação inverte-se…


5. O capitão Flora
Emília, a amiga que Francisco conheceu no navio, vê-se envolvida com os problemas conjugais dos seus pais. De forma a quebrar a rotina da viagem, o Capitão cede o seu lugar a Flora por uma semana. De posse das novas funções, Flora resolve intervir e promover a reconciliação dos pais de Emília…


6. Uma terrível tempestade
A viagem aproxima-se do fim e chega o dia de Natal. Como estão no Hemisfério Sul, é pleno verão. As crianças fazem uma representação teatral como forma de comemoração. Subitamente, levanta-se uma violenta tempestade que trará consequências desastrosas…


7. O papá é genial
Depois do violento naufrágio, o Blackbone Rock encalha e todos abandonam o navio. Apenas a família Robinson permanece a bordo. No dia seguinte, no momento em que o navio está prestes a afundar-se de vez, avistam uma ilha. Resta descobrirem uma forma de chegarem até lá…


8. Em direção à ilha
Depois de uma tentativa frustrada, a família Robinson consegue recuperar a jangada que se virara. Ernesto pede a Flora que procure dois barris de brandy e ela, depois de provar um pouco de vinho, acaba por beber em demasia. Enquanto isso, o Blackbone Rock parece estar nos seus últimos instantes à tona…


9. O novo membro da família
Os Robinson conseguem chegar a terra e montam um abrigo na praia. Para se precaverem contra eventuais perigos, Ernesto e Francisco fazem turnos de vigia durante a noite. Ao amanhecer, um visitante aparece dentro do abrigo…


10. A expedição
John leva a família Robinson até ao Capitão, que já se encontra sem vida. O Blackbone Rock afunda-se definitivamente. Flora entristece-se ao pensar que, com ele, foram todos os animais que lá se encontravam. Ernesto resolve sair com Francisco para uma expedição, a fim de explorarem a ilha.


11. A árvore gigante
Ernesto e Francisco continuam a sua busca pela ilha, mas ainda sem avistar ninguém. Enquanto isso, Ana, Flora e Jaime saem também para uma expedição, à procura de comida. Flora sobe a uma árvore gigante e mete-se em apuros…


12. A coragem de Ana
Ana aguarda ansiosamente o regresso de Ernesto e Francisco. Estes encontram cana-de-açúcar. No caminho de volta, caem ambos num pântano. Para se protegerem dos animais selvagens, Ana e Flora constroem uma cerca. Durante a noite, o acampamento é atacado por lobos…


13. Os olhos de Francisco
Ernesto e Francisco estão, finalmente, de volta. Ernesto confirma à família que, após a expedição, concluiu que estão numa ilha deserta. E nova dificuldade surge, quando Francisco é atacado nos olhos por uma lagarta venenosa…


14. A imprudência de Flora
Ernesto prossegue com a construção da casa na árvore grande. Flora fica deprimida por ter de tomar conta de Jaime e não poder participar na construção. Ana esquece-se do almoço e Flora resolve levá-lo até à árvore, mas perde-se no caminho de volta. Sem se dar conta, sobe para uma árvore flutuante e afasta-se da costa…


15. O aniversário da mãe
Francisco lembra a Ernesto que o aniversário de Ana está a aproximar-se. Os dois preparam uma surpresa às escondidas. Também Flora e Jaime colaboram na surpresa, preparando o seu próprio presente.


16. Uma vida regrada
Ernesto reúne a família para estabelecerem de que forma decorrerá, doravante, a vida deles na ilha. Estabelecem-se algumas rotinas, que incluem um horário reservado ao estudo. Os mantimentos do navio estão a acabar e Ana tem a ideia de fazer uma quinta, o que rapidamente movimenta toda a família…


17. O espantalho
A quinta de Ana foi destruída por javalis, o que deixa todos desanimados. Flora e os irmãos tentam, em vão, avistar a passagem de algum navio. Ana ergue uma cerca para proteger a quinta, mas novo imprevisto acontece. Enquanto isso, Ernesto e Francisco constroem uma canoa.


18. Por favor, salvem o Mecre
Ernesto termina a construção da nova canoa. Francisco sai para dar uma volta com Jaime e pescar. Sem que os dois se apercebam, Mecre cai à água, afasta-se do recife e é arrastado pela corrente. Francisco tenta, a todo o custo, salvar o pequeno animal…


19. Flora vai à caça
Ernesto e Francisco decidem ir caçar para mais longe, já que nada têm conseguido nas redondezas; Flora acompanha-os. Chegam até um lago, onde atiram em vários pássaros, o que entristece a menina. Mais tarde, Flora volta a compadecer-se quando encontram uma cabra e um cabrito; optam, então, por apanhá-los vivos.


20. Barco à vista
Francisco acorda com o tornozelo inchado. Ernesto tenta cavar um poço, de forma a evitar as deslocações até ao riacho, onde vão buscar água. Flora e Francisco conversam sobre o que será das suas vidas se permanecerem para sempre na ilha. Flora avista um navio e tentam, de todas as formas, chamar a sua atenção…


21. As tartarugas
Faz muito calor na ilha e, ao anoitecer, os Robinson vão até à praia refrescar-se. Aí, observam uma tartaruga que desova na areia. Pensam em levar os ovos como alimentos, mas acabam por decidir deixá-los enterrados, esperando que nasçam as tartarugas. Entretanto, Flora e Jaime avistam uma cobra que se aproxima do local onde os ovos estão enterrados…


22. A coleção de Jaime
Flora sente falta de comer algo doce. Ana pensa em plantar cana-de-açúcar na quinta, mas será necessário irem à zona da ilha onde é possível encontrá-la. Fazem, pois, uma expedição até lá. Ernesto e Francisco constroem um sebo para extrair o caldo das canas. Enquanto isso, Jaime procura novas formas de se entreter na ilha.


23. Feriado
Flora constata que ela e a família não pararam de trabalhar desde que chegaram à ilha, e sugere tirarem um dia de férias. Ernesto, então, decreta que, no dia seguinte, será feriado. Enquanto todos arranjam algo para se distrair, Flora chega à conclusão de que há muito pouco para se fazer num feriado na ilha e, aborrecida, adormece. Quando acorda, leva um valente susto…


24. Flora sai de casa
Flora sonha com um príncipe encantado. Em seguida, fica irritada quando ouve Francisco dizer que a considera uma rapariga comum e insiste em dormir fora de casa. Ernesto permite-o, mas fica de vigia durante a noite. Disposta a morar sozinha, Flora procura uma casa nova e instala-se noutra árvore…


25. Noite escura na ilha desabitada
De noite, Flora e Francisco estão a jogar xadrez quando a luz se apaga. Ao tentar reacendê-la, Ana dá conta de que os fósforos acabaram. Assim, os Robinson vêem-se obrigados a arranjar alternativas para fazer lume. Como se não bastasse, também a única lamparina que tinham fica inutilizada…


26. Arco e flecha
Ernesto constrói um arco para ser usado como arma, porque as balas estão a acabar. Ao experimentá-lo, Flora espeta a seta num eucalipto de onde começa a sair seiva. Será esta seiva que Ernesto irá usar para construir sapatos novos. Enquanto isso, Francisco tenta usar o arco para caçar.


27. O aniversário de casamento
Ernesto e Ana estão a prestes a completar 20 anos de casados. Flora e Francisco tomam a iniciativa de, secretamente, construir uma casa de campo para os pais passarem uma noite sozinhos. E as surpresas não ficam por aqui…


28. O remédio milagroso
Jaime tem tido febre alta. A temperatura sobe e desce todos os dias, e Ernesto suspeita que seja malária. Ernesto e Francisco saem à procura de cinchona, uma árvore de cuja casca se extrai um remédio contra a malária. Também Ana adoece, e Flora tem de ser forte o suficiente para cuidar sozinha da mãe e do irmão…


29. Perdida na ilha
Depois do episódio da malária, Ana considera que é muito perigoso continuarem na ilha. Ernesto e Francisco deitam então mãos à obra na construção de um barco. Flora aborrece-se com o estudo e sai para dar um passeio, mas perde-se e não consegue voltar para casa…


30. O castigo
Ana acha que Flora merece um castigo por ter fugido de casa. Francisco obriga-a a ficar o dia inteiro a estudar e Ana dá-lhe uns bons açoites. As cabras assustam-se com o barulho das árvores a serem derrubadas, e fogem. Flora pensa em ir atrás delas, mas teme ser novamente castigada…


31. Parabéns, Flora!
É dia 13 de setembro. Toda a família está, misteriosamente, a preparar alguma coisa para Flora. Trata-se do dia do seu aniversário… Mas Flora, não se recordando da data, enerva-se por perceber que existe um segredo e que ninguém lhe quer contar.


32. Um balde de água fria
Decorreram já dois meses desde que se iniciou a construção do barco. Ernesto e Francisco continuam a trabalhar arduamente, enquanto Ana e Flora preparam alguns mantimentos para a viagem. Tudo parece estar pronto para a partida, até que algo de inesperado acontece…


33. Uma forte chuvada
A chuva não dá tréguas e a família Robinson é obrigada a permanecer em casa o dia todo. A horta de Ana fica completamente alagada, mas Francisco e Ernesto conseguem escoar a água. Conseguem também apanhar alguns peixes que, com a inundação, ficaram em terra. Em casa, Ana ensina os filhos a fazer bolos.


34. À procura da gruta
Continua a chover torrencialmente e o teto da casa da árvore começa a não dar conta da chuva. Ernesto tem dificuldades em consertá-lo e decide que têm de procurar outro abrigo. Flora recorda que, enquanto esteve perdida, entrou numa gruta…


35. O segredo da gruta
Com a ajuda de John, Flora conseguiu chegar com a família à gruta. Ernesto considera que será um bom local para viverem durante a estação das chuvas. Contudo, ao explorá-la, deparam-se com um cadáver e um diário…


36. A passagem secreta
Os Robinson estão agora mais longe do rio e do poço, e aproveitam a água da chuva, que tem de ser racionada. Francisco lê o diário de Eric Bates, ficando a conhecer alguns pormenores do seu dia-a-dia na ilha. Flora, por seu turno, descobre uma passagem secreta dentro da gruta…


37. Os novos náufragos
Flora vai à casa da árvore buscar uma panela e encontra tudo remexido. Para Ernesto, é evidente que há outras pessoas na ilha. E não demora muito até elas darem a cara. Flora é a primeira a avistar um deles, na horta: um rapaz chamado Tom-Tom, que afirma não estar sozinho…


38. O rapaz e a menina
Ao ser questionado sobre as suas origens, Tom-Tom reage de forma inesperada quando lhe falam na Austrália. O Sr. Morton esclarece que o rapaz está traumatizado com a morte dos pais. Flora conversa longamente com Tom-Tom, tornam-se amigos e contam um pouco das suas vidas…


39. Morton, um homem intratável
Tom-Tom constrói um boomerang. Flora tenta apanhar côcos, como Tom-Tom fez, mas só consegue descer da árvore com a ajuda do Sr. Morton. Este bebe álcool medicinal para saciar o vício da bebida. Para além disso, encontra também uma forma de satisfazer outro vício: o do tabaco…


40. A avestruz
A família Robinson regressa à casa da árvore. O Sr. Morton e Tom-Tom permanecem na gruta. É o aniversário de Francisco e este sai para dar um passeio especial com Flora e Jaime. Encontram uma avestruz e tentam capturá-la, mas só o conseguem com a ajuda de Tom-Tom.


41. O Sr. Morton desaparece
O Sr. Morton tem um mau presságio e resolve desaparecer por uns tempos, deixando Tom-Tom entregue aos cuidados da família Robinson. Sem ser visto, subtrai da casa deles uma espingarda e alguns mantimentos, e sai na canoa que Ernesto e Francisco construíram.


42. Um horrível tremor de terra
Flora vai à procura de Tom-Tom, que também desapareceu. Todos os animais começam a dar sinais de grande agitação. Durante a noite, acontece o pior: um violento tremor de terra, que lança o pânico entre a família Robinson…


43. O regresso do Sr. Morton
Ernesto retoma os planos de construir um barco. Há dias que não chove e a escassez de água começa a fazer-se sentir. Tom-Tom avista uma canoa: é o Sr. Morton, que está de regresso…


44. O novo barco
O Sr. Morton expõe o seu plano para irem embora da ilha. Todos começam a trabalhar arduamente, e até Jaime tem tarefas a seu cargo. O Sr. Morton desloca-se até ao local onde naufragou o Blackbone Rock e é rondado por um tubarão.


45. Não nos deixes, burrinho
O Sr. Morton usa linho para fazer cordas. Todos andam exaustos e as crianças quase não têm tempo para brincar. Morton dá as instruções para ultimar a construção do barco, que, com a ajuda do burro, é finalmente lançado à água…


46. Não abandonem as cabras (1.ª parte)
Ana prepara os mantimentos para a viagem. Morton diz que ainda não é hora de partir, porque as correntes não estão favoráveis. Diz também que não aceitará a presença de animais a bordo. Compreendo a razoabilidade da decisão, e apesar da oposição de Flora, Ernesto vai com Francisco deixar as cabras no vale onde elas viviam…


47. Não abandonem as cabras (2.ª parte)
Flora continua desanimada com a partida das cabras. Francisco tenta convencer o Sr. Morton a autorizá-los a levar os animais, mas o velho marinheiro mostra-se irredutível. Francisco, contudo, tem um plano para os embarcar sem que ele se aperceba. Entretanto, John e Mecre desaparecem misteriosamente…


48. Adeus, ilha desabitada
Como forma de agradecimento por lhes ter sido permitido levar os animais, Francisco, Flora e Jaime decidem, simbolicamente, deixar na ilha alguns dos seus “tesouros”. E chega, finalmente, o dia de se despedirem da ilha onde viveram durante mais de um ano…


49. Terra à vista
Neste episódio, acompanhamos a viagem da família Robinson, do Sr. Morton e de Tom-Tom pelo oceano, que, como não poderia deixar de ser, é bastante atribulada. Passam-se 3 semanas sem que vejam terra, e a comida e a água começam a chegar ao fim…


50. A Austrália
Os náufragos atracaram um pouco a norte de Sydney e dirigem-se agora de comboio para Melbourne, onde está Elliott, o amigo de Ernesto. Ficam a conhecer a sua nova casa e Elliott leva-os ao hospital onde Ernesto vai trabalhar. Lá, aguarda-os uma surpresa …

A Família Robinson é baseada no romance Der Schweizerische Robinson, escrito pelo suíço Johann David Wyss e publicado pela primeira vez em 1812.

Embora Flora seja a protagonista desta série animada, havendo mesmo quem pense que o título da mesma é Flora, esta personagem não existe no romance, onde a família é composta apenas por um pai, uma mãe e quatro filhos (rapazes).

Apesar de poder ser considerada uma série de pouca ação, quando comparada com os padrões atuais, A Família Robinson foi, em Portugal, uma das mais marcantes produções do género.

O animal de estimação dos Robinson na ilha, um marsupial, é batizado devido ao dia da semana em que é encontrado (uma quarta-feira). Como, em francês, quarta-feira se diz mercredi, Flora sugere que o seu nome seja uma abreviatura, Mecre.

Embora não seja expressamente referido, Mecre aparenta ser da espécie ailurops ursinus.

A voz de Francisco foi dobrada por Francisco Pestana a partir do episódio 20, em substituição de Manuel Cintra.

Nos primeiros episódios, a voz de Emília é feita por Teresa Sobral. Contudo, quando reaparece no último episódio, a voz é de Carmen Santos.

Carmen Santos interpretou as canções dos genéricos, para além de dar voz a Jaime, o irmão mais novo de Flora.

Numa cena da telenovela Passerelle, a menina Ritinha (Inês Vaquinhas) brinca com um puzzle da “Flora”.

A Impala lançou uma caderneta de cromos.

No Japão, foi lançada a banda sonora, com todos os temas tocados na série.

A série fez sucesso noutros países europeus, como por exemplo em Itália, onde foi lançada uma outra caderneta, pela Panini.

Muitos recordam a série como tendo sido uma oportunidade para aprender diversos ensinamentos de sobrevivência numa ilha deserta:

Construir uma jangada:

Construir um abrigo:

Proteger-se dos animais selvagens:

Improvisar refeições, aproveitando os alimentos naturais disponíveis:

Plantar uma horta:

Cortar árvores:

Produzir sal:

Extrair açúcar da cana:

Fazer lume:

Fabricar velas:

Construir um arco:

Produzir sapatos:

Produzir tabaco:

Partilhar:

A Família Robinson