A Festa Continua

Exibição:
23/10/1983 – 29/07/1984 (RTP 1)

Número de programas:
41

Autoria e apresentação:
Júlio Isidro

Produção:
Piedade Maio
Melo Cardoso
António Sá Machado

Realização:
Margarida Gil
Alfredo Tropa

Depois de Festa É FestaA Festa Continua… desta vez, a partir do Cinema Europa.

Com este programa, Júlio Isidro voltava a assegurar o entretenimento das tardes de domingo da RTP 1. O espírito continuava a ser aliar o divertimento à cultura através de momentos que davam lugar à música, ao humor, às artes e a passatempos que contavam sempre com a participação do público.

O programa contou com numerosas atuações musicais, para além de rubricas e passatempos que foram variando ao longo dos meses em que esteve no ar.

Tendo a boa disposição como tónica dominante, A Festa Continua apresentou também momentos de humor, da responsabilidade da dupla Ana Bola e Maria Vieira, à qual se juntou, mais tarde, António Feio.

O programa, que normalmente tinha início às 14:30, durava três horas e meia.

Cada programa contava com a presença de “embaixadas regionais” dos diversos distritos, que faziam uma demonstração de algumas das suas tradições.

Outra novidade foi a introdução de um espaço dedicado ao exercício físico – “Júlio, Insiste, Insiste” –, conduzido por Kika Moniz Pereira.

Na rubrica “Quem é quem”, uma personalidade convidada aparecia sob disfarce, aguçando a curiosidade do público acerca da sua identidade.

Mário Viegas deu continuidade ao seu momento de poesia, que iniciara com regularidade em Festa É Festa.

Uma das rubricas de maior popularidade foi Juízes Entre Nós, onde havia lugar à representação, feita por atores, de casos jurídicos. Santos Manuel fazia o papel de juiz, e os jurados eram elementos do público.

António Montez e Maria Albergaria com o "juiz" Santos Manuel

Em seguida, o advogado Luís Laureano Santos – que, nos anos 60, apresentara com Júlio Isidro o Programa Juvenil –, explicava o enquadramento jurídico que levava à conclusão do caso.

Luís Laureano Santos e Júlio Isidro

Mais tarde, o juiz passou a ser interpretado por Norberto Barroca, que assegurou esse mesmo papel no programa Os Pratos da Balança (1986/1987), um spin-off desta rubrica, também da autoria de Luís Laureano Santos.

Santos Manuel na sua despedida do programa
Cremilda Gil e António Assunção com o "juiz" Norberto Barroca

Maria do Céu Guerra atuou, juntamente com Mário Pereira, num caso cuja história era inspirada em Frei Luís de Sousa.

Esse caso, assim como outros, foi reconstituído numa rubrica semelhante do programa Turno da Noite, que Júlio Isidro apresentou na TVI, tendo Maria do Céu Guerra interpretado novamente esse papel.

No decorrer de cada programa, um artista convidado pintava um quadro que, no final, era leiloado – uma rubrica que já vinha de Festa É Festa. Para grande espanto do público que, no dia 06/05/1984 assistia ao programa, no estúdio ou em casa, uma dessas obras foi arrematada por Maria Branca dos Santos – sim, falamos da famosa “banqueira do povo” – por 350 contos, a quantia mais elevada que o programa registara até à altura.

A partir de março de 1984, algumas emissões foram feitas a partir do exterior.

De um total de 41 emissões, nove foram gravadas em diversos pontos do país: Vila Nova de Gaia, Cascais, Évora, Portimão, Viseu, Porto, Figueira da Foz, Vilamoura e Lisboa.

Destaque para a emissão feita em Évora, no Templo de Diana, e para as emissões a partir dos Estádios do Bessa (Porto) e do Belenenses (Lisboa).

Júlio Isidro e Luís Laureano Santos em Évora

Por ocasião das comemorações do 10 de junho, foi exibida, no dia 09/06/1984 (sábado), às 22:00, uma emissão especial, intitulada Festa Portuguesa.

O último programa começou mais cedo do que o habitual, às 11:00, uma vez que, nesse dia (29/07/1984), tiveram início as transmissões dos Jogos Olímpicos de Los Angeles. Os Jogos Olímpicos tinham sido, aliás, o tema de um dos programas.

Partilhar:

A Festa Continua