Como? Quem? Porquê?

Exibição:
03/11/1985 – 14/09/1986 (RTP 1)

Número de programas:
24

Apresentação:
João Lagarto

Produção:
Maria Luísa Jacinto

Realização:
Fernando Lourenço

Apresentado pelo ator João Lagarto, Como? Quem? Porquê? visa consciencializar os cidadãos para o problema da marginalidade e da criminalidade, incentivando à sua cooperação na prevenção e no combate ao crime.

João Lagarto

O programa está dividido em duas partes: a primeira é de (in)formação, alertando para os perigos que as pessoas correm, enquanto potenciais vítimas de crimes, e transmitindo-lhes regras básicas de prevenção.

Casa assaltada: o que fazer?

Na segunda parte, são relatados (e por vezes reconstituídos) alguns crimes, cuja causa pode ou não encontrar-se desvendada.

Reconstituição de um homicídio ocorrido na 2.ª Circular, em Lisboa

As reconstituições servem, de certa forma, como apelo para que as eventuais testemunhas oculares destes crimes se apresentem e possam dar indícios da solução dos mesmos – como, quem e porquê…

A ideia de Como? Quem? Porquê? foi de Fernando Lourenço, operador de câmara da RTP, que conseguiu colocar em prática este projeto com uma equipa muito reduzida e uma extrema economia de meios.

O jornal Tal & Qual dedicou um artigo ao programa, onde desmentiu que este tivesse alguma espécie de “patrocínio” da Polícia Judiciária.

Quem deu a “cara” ao programa foi o ator João Lagarto, até então uma figura pouco presente no pequeno ecrã, o que também levou muita gente a pensar que se tratava de um agente da PJ com jeito para enfrentar a câmara…

Curiosamente, João Lagarto aparecera em 1985 no papel de polícia, na série Em Lisboa, Uma Vez, de Luís Filipe Costa.

Houve, no entanto, alguma colaboração da Polícia Judiciária a nível da disponibilização de elementos referentes aos diversos casos de crimes relatados no programa.

Já as regras de prevenção foram traduzidas de livros estrangeiros e adaptadas à realidade portuguesa. Foram transmitidas regras tão simples como o que fazer no caso de encontrar a casa assaltada ou a importância de identificar os objetos de valor para o caso de serem roubados.

Foram abordados os mais diversos tipos de crimes, tais como: assaltos a casas, assaltos à mão armada, carteiristas, furtos de viaturas, atropelamentos com fuga, atos de vandalismo, prostituição e “contos do vigário”.

Em março de 1986, o programa passou a ser exibido quinzenalmente, alternando o seu espaço ao domingo com outro programa de utilidade pública: o Dar e Receber, que esclarecia os contribuintes sobre questões fiscais, nomeadamente acerca do IVA, imposto surgido nesse ano.

Partilhar:

Como? Quem? Porquê?