Estação da Minha Vida

Exibição:
16/06/2001 – 29/07/2001 (RTP 1)

Número de episódios:
13

Autoria:
Guilherme Leite

Textos:
Guilherme Leite
Luís Almeida Martins
Isabel Damatta

Coordenação de textos:
José Jorge Letria

Música:
Vitorino

Direção de atores:
Nicolau Breyner

Produção:
Marta Gil

Realização:
Nicolau Breyner
Mário Silva

Direção geral:
José Nuno Martins

Produtora:
625 Audiovisuais

Elenco:
Guilherme Leite – Horácio
Henriqueta Maya – Isaura
Cecília Guimarães – Jacinta
Diogo Morgado – Raul
Anabela Teixeira – Mafalda
José Meireles – Tiago
Paula Neves – Cátia
Francisco Garcia – Martim
António Joaquim – Calado
Ildeberto Beirão – Madaíl
Sara Campina – Mariana
João Leite – João

Quem embarca em Santa Apolónia, com toda aquela agitação de pessoas a “formigarem” com sacos e malas na mão, não pode imaginar que duas horas depois poderá desembarcar na estação de comboios mais calma do mundo: a estação do Fratel, situada no concelho de Vila Velha de Ródão, terra de azeite e água. Azeite das oliveiras, que dão emprego e vida à região, e água do alto Tejo, que serpenteia serra abaixo, sempre com a linha de comboio ao lado.

É neste local de lindas paisagens que meia dúzia de pessoas vive a nostalgia das memórias da sua estação, que são afinal as memórias da sua vida: o chefe Horácio (Guilherme Leite), a mulher Isaura (Henriqueta Maya), a guarda de linha Jacinta (Cecília Guimarães), o bagageiro Calado (António Joaquim), Raul (Diogo Morgado) – licenciado em Antropologia que é taxista e bombeiro –, filho do senhor Madaíl (Ildeberto Beirão), dono da pensão que fica paredes meias com a estação. Para elas, o passado faz sentido, mas Mafalda (Anabela Teixeira) – a filha do chefe Horácio, que é jornalista em Lisboa – tenta mostrar-lhes um futuro de alternativas… ou talvez de incógnitas. Além de Mafalda e do seu filho João (João Leite), outras personagens acabam por alterar a aparente pacatez da vida daquela estação, como é o caso do engenheiro Tiago (José Meireles), que por motivos profissionais é para ali destacado por 3 anos, levando consigo o filho Martim (Francisco Garcia).

Horácio (Guilherme Leite)
Chefe da estação do Fratel, “a estação da sua vida”. Mora com a esposa no primeiro andar do edifício. Teme que a estação seja transformada em apeadeiro devido à redução de movimento dos comboios, o que o faz nutrir uma certa antipatia pelo engenheiro Tiago, que pensa ser responsável por essa empreitada. Tem a apicultura como passatempo.

Isaura (Henriqueta Maya)
Mulher de Horácio. Trabalha também na estação, como funcionária da limpeza. Gosta de separar as águas: na estação, quem manda é o marido; em casa, quem manda é ela. Passa a vida a reclamar da sujidade, pois no fim “quem limpa é a escrava Isaura”. Sonha em ver a filha, Mafalda, casada com Raul.

Mafalda (Anabela Teixeira)
Filha de Horácio e Isaura. Jornalista em Lisboa, no diário A Capital. Recém-divorciada, tem um filho, João. Costuma visitar os pais ao fim-de-semana.

João (João Leite)
Filho de Mafalda. Todos lhe chamam “grande menino”, mas ele já se considera um “grande homem”. Gosta muito de estar no Fratel e, sobretudo, de brincar com Calado.

Raul (Diogo Morgado)
Filho de Madaíl. Amigo de infância de Mafalda, por quem sente uma afeição especial. Formou-se em Antropologia, mas atualmente é taxista e Comandante dos Bombeiros.

Madaíl (Ildeberto Beirão)
Dono da pensão Gonçalo Mago, que fica junto à estação. Tem também um táxi, conduzido pelo filho, Raul.

Jacinta (Cecília Guimarães)
Viúva do antigo chefe da estação, cujas qualidades não se cansa de enaltecer. É a guarda de linha. Nos períodos em que não passam comboios – que são muitos –, gosta de dar duas de letra com Isaura.

Calado (António Joaquim)
Bagageiro da estação. Aproveita todos os bocadinhos que tem para se dedicar à pesca. Vive num anexo à estação, onde guarda uma arca que esconde alguns segredos do seu passado.

Tiago (José Meireles)
Engenheiro, vem trabalhar para o Fratel por um período de 3 anos, não se sabendo ao certo qual é a sua missão. Vai morar na pensão de Madaíl. É viúvo e cria o filho sozinho. Com Mafalda, descobrirá novamente o significado do amor.

Martim (Francisco Garcia)
Filho de Tiago. Sente falta de uma figura materna, uma vez que a sua mãe morreu duas horas após dar à luz. Não fica especialmente entusiasmado com a mudança para o Fratel.

Cátia (Paula Neves)
Filha de um emigrante que se tornou o homem mais rico da região. É estudante universitária na Covilhã. Tem alguma proximidade com Raul.

Mariana (Sara Campina)
Neta de Jacinta. Amiga de Tiago na Escola de Vila Velha de Ródão.

1. (16/06/2001)
Na estação de Santa Apolónia, o chefe Horácio apanha o comboio de regresso ao Fratel, depois de uma reunião de trabalho em Lisboa. À sua frente, durante a viagem, senta-se um revisor que lhe afirma estar previsto o encerramento da estação do Fratel, na qual é chefe, e que é a “estação da sua vida”. Só mais tarde descobre que se tratou de uma partida do Dia das Mentiras. Raul encontrou um ninho de cegonha caído no chão e vai tentar recolocá-lo no lugar. Entretanto, instalam-se no Fratel o engenheiro Tiago Mendes e o seu filho, Martim. É, no entanto, desconhecido o motivo que o leva a ali permanecer durante 3 anos. Horácio desconfia que o seu intuito seja encerrar a estação. Mafalda, juntamente com o seu filho João, vai passar o fim-de-semana com os pais e comunica-lhes que se divorciou.


2. (17/06/2001)
O chefe Horácio recebe um telefonema de Lisboa, da filha Mafalda, e fica a saber que o seu neto João está constipado. Preocupados com a vida afetiva da sua filha, Horácio e Isaura aproveitam o facto de Raul ir até Lisboa e “inventam” uma encomenda para este entregar a Mafalda, de forma a “promover” um encontro casual entre os dois: nem mais nem menos do que um frasco de mel que Horácio havia extraído das suas colmeias, para João melhorar da constipação. Entretanto, o enigmático engenheiro Tiago, de quem Horácio suspeita que foi destacado para o Fratel para acabar com a estação, inicia a sua nova vida, levando pela primeira vez o filho Martim à escola de Vila Velha de Ródão. O fim-de-semana é palco de vários encontros e surpresas: Raul regressa ao Fratel no jipe de Mafalda e não de comboio, como era suposto. Porém, a jovem Cátia – estudante universitária na Covilhã e filha de emigrantes – vem até ao Fratel, aproximando-se “seriamente” de Raul, gerando assim dúvidas e angústias que atormentam o chefe Horácio e a mulher sobre as verdadeiras intenções desta aproximação.


3. (23/06/2001)
Mafalda chega de jipe com o filho João, vinda de Lisboa em gozo de fim-de-semana. Raul, ao passar no táxi, vê-a e apresta-se a ajudá-la a retirar as malas e os sacos. Os dois vão juntos a Vila Velha de Ródão, para júbilo de Horácio e Isaura, confiando que é agora que a sua filha vai refazer a vida, depois do tormento do divórcio. Pelo caminho, Mafalda recorda com Raul os tempos de infância que passaram juntos e convida-o para aparecer no almoço surpresa que ela preparou para comemorar o aniversário da mãe, Isaura. Triste pelo tédio provocado pela falta de amigos e por não se estar a ambientar à sua nova vida, Martim assiste a tudo da janela da pensão e conta ao seu pai, o engenheiro Tiago. Contrariando a habitual falta de movimento na estação, saem cinco passageiros de um comboio, para gáudio do bagageiro Calado, da guarda Jacinta e do chefe Horácio, que vai até à gare, propositadamente para os saudar. Mas o susto toma de assalto o Fratel: Martim – que saíra da pensão para o lado do rio – desaparece e mobiliza toda a gente para ir à sua procura, deixando o seu pai cheio de problemas de consciência quanto às razões que o terão levado a fugir…


4. (24/06/2001)
Continua envolta em mistério a presença prolongada do engenheiro Tiago no Fratel, o que leva Mafalda e Raul a comentarem que ele reparte os seus dias entre as medições dos terrenos e o recolhimento no quarto da pensão. Convicto de que o engenheiro Tiago se encontra ali com uma missão ligada ao encerramento da estação, o chefe Horácio resolve fazer-lhe uma pequena partida, solicitando ao seu neto João que lhe vá entregar uma encomenda algo armadilhada… Também Raul tenta fazer o engenheiro Tiago cair numa armadilha, pedindo-lhe para este escrever um artigo para o jornal regional sobre a sua estada no Fratel, o que permitirá descobrir as verdadeiras razões da sua estada naquela terra. Entre Raul e Tiago gera-se um clima de tensão, estando implícito o mútuo interesse em Mafalda. Para acalorar ainda mais os ânimos, o engenheiro Tiago envia, através do filho Martim, uma mensagem escrita a Mafalda, mesmo antes de esta partir para Lisboa. Raul assiste à cena e não esconde os ciúmes, perante a falta de comentários e a expressão algo enigmática da Mafalda ao ler a missiva…


5. (30/06/2001)
Lembrando-se bem do bilhetinho que o engenheiro Tiago entregara na semana passada a Mafalda, Raul surge na estação, com aparente ansiedade, perguntando ao chefe Horácio se ela já se encontra no Fratel. Mas este é um dia de desencontros: Mafalda, logo depois de ter chegado de Lisboa, desloca-se à pensão, procurando Raul, mas quem encontra mesmo é Tiago, com o qual fica à conversa na mesma mesa. Quando Raul chega à pensão e vê Mafalda com Tiago, não consegue esconder os seus sentimentos. Martim, que não chegou a conhecer a mãe, confessa ao seu pai, Tiago, que gostaria de “ter uma mãe” bonita como Mafalda. No meio de todo este ambiente de sentimentos cruzados, a estação é animada pela presença de um grupo de turistas, que acampam ali próximo, e depois por um grupo de ciganos, que vai gerar alguma controvérsia porque também quer montar acampamento nas imediações da estação. É neste clima de alguma tensão que repentinamente surge o alarme: deflagrou um fogo, ali junto à margem do Tejo…


6. (01/07/2001)
O chefe Horácio está em polvorosa, porque um comboio não chegou à tabela. Mas, na realidade, o que mais lhe atormenta a cabeça são os seus pressentimentos e os da sua mulher Isaura de que Raul vai perder o “comboio da vida”. É que paira no ar uma nova atitude de Mafalda perante o engenheiro Tiago. Para ajudar à festa, Martim descai-se e conta a Jacinta que o pai combinou um encontro secreto com Mafalda, junto ao rio. Entretanto, também no mundo dos segredos, o bagageiro Calado conta ao pequeno João a oculta faceta e paixão da sua vida, que foi a arte de representar o papel de “palhaço” no circo. Em Vila Velha de Ródão, no quartel dos bombeiros, realiza-se a grande festa da bênção da nova ambulância. Porém, quando usava da palavra, discursando num momento tão solene quanto bonito, Raul olha para a porta e vê Mafalda e Tiago entrarem de braço dado…


7. (07/07/2001)
No interior da estação, Raul confessa ao chefe Horácio a sua amargura por estar convicto de que “perdeu” as hipóteses de iniciar uma relação séria com Mafalda, chegando ao ponto de afirmar: “O seu futuro genro vai ser o engenheiro Tiago”. No entanto, a chegada à estação de uma bonita senhora, procurando o engenheiro Tiago e instalando-se na pensão, para ficar paredes meias com este, vem abalar os próximos dias da vida do Fratel. É generalizada a suspeita de que a referida senhora se deslocou até ali porque mantém um relacionamento com Tiago. Mafalda, alheada deste assunto pela sua intensa vida profissional de jornalista em Lisboa, chega de fim-de-semana, passa pela estalagem e é surpreendida pela presença de Tiago com a senhora numa mesa da esplanada. Estupefacta, só tem tempo para se virar rapidamente e sair a correr…

Participação especial:
Carla Andrino – Maria de Lurdes


8. (08/07/2001)
Raul é mandado parar e revistado numa operação stop da GNR, quando viaja de táxi, de Castelo Branco para o Fratel. Na estação, o chefe Horácio fica em alvoroço devido ao grande atraso do comboio das 8 e 21. Indagando sobre as razões do atraso, o chefe Horácio é informado de que a GNR acaba de montar uma vasta operação de caça ao homem, pela evasão da Penitenciária de Castelo Branco de um preso, que se suspeita esteja num comboio. Por isso, a Guarda resolveu revistar todas as carruagens dos comboios da Linha da Beira Baixa, o que acaba até por “embevecer” o chefe Horácio, pela importância que se confere aos “seus” comboios e à “sua” linha. Alheada de todo este assunto, Mafalda desentende-se com a sua mãe, Isaura, porque esta emite uma opinião pouco favorável sobre o engenheiro Tiago. Mas aquilo que põe o Fratel em sobressalto é a história do preso evadido e o estranhíssimo e enigmático comportamento do bagageiro Calado, que leva toda a gente a pensar que esconde em sua casa o fugitivo…


9. (14/07/2001)
O chefe Horácio e o bagageiro Calado estão empolgadíssimos com o grande acontecimento que se encontram a organizar e que vai animar a estação do Fratel: o Torneio dos Pescadores Desportivos Ferroviários. Mafalda e o filho João deslocam-se ao Fratel para assistir ao torneio. O engenheiro Tiago, que havia planeado ir até Lisboa, resolve desmarcar a viagem para não se desencontrar de Mafalda. Raul sabe disto e fica visivelmente abatido. O grande dia do torneio chega, e o chefe Horácio abre a prova com toda a pompa e circunstância, cortando uma fita e desejando as boas-vindas aos inúmeros ferroviários que se deslocaram de todo o lado. A excitação é grande: há muito tempo que não se via tanta agitação pelas bandas do Fratel. A pensão do Sr. Madaíl está com lotação esgotada. Porém, após a proclamação do vencedor, levantam-se sérias dúvidas quanto à legitimidade do seu triunfo. Mafalda regressa a Lisboa e encontra no seu jornal um estranho anúncio de casamento, com pedido de resposta para a Estação de Fratel…


10. (15/07/2001)
À estação de Fratel chega um homem à procura de Jacinta. Um antigo romance entre ambos marcou as suas vidas, já lá vão 40 anos. No café da pensão, Raul ouve a conversa de Tiago, pelo telemóvel, com Mafalda. As despedidas carinhosas põem Raul em estado de tristeza. Já no fim-de-semana, a tensão entre Raul e Tiago sobe, quando este encontra Mafalda a conversar com Raul – na estação –, não conseguindo esconder os seus ciúmes. Isaura confessa a Horácio que foi ela que colocou o anúncio a pedir uma noiva para Calado, preocupada que está com a sua solidão. Ângelo, o antigo namorado de Jacinta, parte de regresso, rumo a Angola. Na despedida, Jacinta não esconde a emoção e o sentido de humor: para o ir visitar, só se for de comboio, nunca de avião. Entretanto, uma senhora de idade chega à estação para responder a um anúncio. Calado fica em polvorosa…


11. (22/07/2001)
O Chefe Horácio vê cada vez mais com “maus olhos” a crescente aproximação da filha Mafalda com o engenheiro Tiago. Para Horácio e Isaura, quem ficava bem com Mafalda era mesmo o amigo de infância Raul. Horácio fica de mau humor, porque o engenheiro Tiago se desloca propositadamente à estação para lhe perguntar a que horas chega Mafalda, de Lisboa. Entretanto, um estranho acontecimento agita a estação: uma senhora, que se esqueceu da mala no comboio, encerra-se na casa de banho e ameaça dali não sair até lhe ser restituída a mala. Também Raul se fecha, mas no seu quarto, deprimido que está com a sua vida afetiva e preocupando seriamente os que o rodeiam…


12. (28/07/2001)
Um grupo de escuteiros chega à estação para apanhar o comboio, para gáudio do Chefe Horácio, pelo movimento que a estação está a ter. Além do mais, o Chefe Horácio lê no jornal que vai aumentar o gasóleo, o que o leva a ficar esperançado em que isso sirva de incentivo para haver mais passageiros nos comboios. Como se mantém o enigma sobre as razões da presença do engenheiro Tiago no Fratel, Horácio pede a Jacinta para tentar desvendar o mistério, através da sua neta Mariana, que se dá muito com Martim – filho de Tiago –, a ponto de já serem apelidados de namorados. Cátia revela a Raul – em primeira mão – que se vai candidatar à Assembleia Municipal. No café da pensão, o acaso junta Tiago, Mafalda, Raul e Cátia. Raul e Tiago trocam “galhardetes” subtis. No quarto de Calado, o pequeno João continua fascinado com as traquinices do secreto “palhaço” do circo. Um velho revolucionário da terra – o velho Matias – surge na estação com um grupo de reformados, para fazer uma visita à lindíssima zona das gravuras rupestres, prometendo que todas as semanas diferentes grupos irão visitar a região, com o apoio da CP e da REFER. Horácio e Calado exultam com o facto. O espectro do fecho da estação está cada vez mais longe…

Participação especial:
Amadeu Caronho – Matias


13. (29/07/2001)
Um grande acontecimento marca o Fratel: o casamento de Raul com Cátia. O Chefe Horácio está muito nervoso, devido a esta cerimónia: o que ele queria mesmo era que Raul casasse com a sua filha Mafalda. Entretanto, o engenheiro Tiago confessa a Mafalda que sente a relutância que o chefe Horácio tem em relação a ele. Horácio resolve mesmo não ir ao casamento, mas no momento em que Raul se vai despedir dele, o coração fala mais alto e volta atrás na decisão. Os bombeiros, com a farda de gala, marcam presença, abrilhantando a celebração do matrimónio do seu comandante. Porém, um enorme percalço vai alterar todos os planos e gerar a grande confusão. Mafalda faz tudo para confortar Raul. Mas, como diz o Chefe Horácio, “a vida continua”…

Estação da Minha Vida foi exibida aos fins-de-semana, na RTP 1.

Com a colaboração da CP e da Refer, a série teve como principal locação a Estação do Fratel, em Vila Velha de Ródão, servida pela Linha da Beira Baixa. Foram muitas as cenas gravadas no exterior da estação, com uma vista privilegiada sobre o Tejo.

O pequeno João Leite, filho de Guilherme Leite, fazia o papel de seu neto.

A banda sonora, composta e interpretada por Vitorino, foi lançada num CD promocional com tiragem muito limitada.

ESTAÇÃO DA MINHA VIDA
COMBOIO DA BEIRA BAIXA
ESTAÇÃO DA MINHA VIDA (genérico)
TEMA DE MAFALDA
TEMA DE TIAGO
TEMA DE RAUL
TEMA DE CALADO – Instrumental
CAIXINHA DOS AFETOS – Instrumental
VALSINHA DA ISAURA – Instrumental

Partilhar:

Estação da Minha Vida