Outonos

Exibição:
10/10/1994 – 02/01/1995 (RTP 2)

Número de episódios:
04

Autoria:
Miguel Faria

Produção e realização:
Francisco Manso

Série de quatro filmes sobre alguns vultos da cultura portuguesa cuja morte foi uma opção. O suicídio é, pois, o elo temático de Outonos, que irá abordar a vida, obra e morte de:

Antero de Quental (1842-1891)

Florbela Espanca (1894-1930)

Mário de Sá-Carneiro (1890-1916)

Soares dos Reis (1847-1889)

1. Na mão de Deus – Antero de Quental (10/10/1994)
Foi num banco do Campo de São Francisco, em Ponta Delgada. Pelas 20 horas do dia 11/09/1891, Antero de Quental, 49 anos, poeta e filósofo, comprara um revólver que só usaria uma vez. Junto ao muro que fecha a cerca do Convento da Esperança, mata-se com dois tiros. O filme procura fixar o período final da sua vida em Ponta Delgada. Ao longo do episódio, assistimos também à correspondência que Antero de Quental mantinha com Oliveira Martins, e na qual ficamos a perceber a imagem de uma época conturbada.

Elenco:
Antonino Solmer – Antero de Quental
Orlando Costa – Padre Diego
José Carretas – Oliveira Martins
Teresa Mónica – D. Vitória Oliveira Martins
José Eduardo – Guilherme Oliveira Martins
Paulo Martinho – José Bensaúde
Roberto Tavares – Eça de Queiroz
Christiano Toste – Dr. Sousa Martins
José Maria Pacheco – Benjamim Ferin
Gilberta Rocha – Ana (irmã de Antero)
Melânia Rocha – pupila de Antero 1
Catarina Moniz – pupila de Antero 2
Maria João Branco – criada
Ana Isabel Furtado – irmã de Oliveira Martins 1
Cassilda Oliveira Fontoura – irmã de Oliveira Martins 2

2. Nostalgia – Florbela Espanca (07/11/1994)
1930. O ano da morte de Florbela Espanca. Nasceu, casou e suicidou-se na mesma data: 8 de dezembro. Foi encontrada morta na cama, com o resto de um copo de leite na mesinha de cabeceira e dois frascos de Veronal vazios debaixo do colchão. Morreu vítima de um “edema pulmonar”, reza a certidão de óbito. O filme faz a reconstituição dos últimos anos melancólicos e sós da vida da poetisa, desde a mudança de Évora para Matosinhos, em 1930, onde tenta recuperar da doença de insónias de que padece desde a morte do seu irmão, Apeles.

Elenco:
Teresa Madruga – Florbela Espanca
Pedro Barbosa – Guido Battelli
António Capelo – Dr. António Batoque
José Alegria – Dr. Celestino David
Pedro Palma – Dr. Lopes da Silva
Carla Sousa – jovem vendedeira
José Manuel dos Santos – gerente da pensão
Amílcar César – Lúcio (motorista)
Joana Dias – Florbela (criança)
Paulo Mata – Apeles (criança)
José M. Rodrigues – pai de Florbela
Maria das Dores Correia – mãe de Florbela
Paulo dos Santos – criado da pensão
Alfredo Magalhães – empregado da 1.ª livraria
Joaquim Oliveira – empregado da 2.ª livraria
Pisco Martins – funcionário da biblioteca

3. Quase – Mário de Sá-Carneiro (05/12/1994)
A ação decorre inicia-se em 1904, no período de Mário de Sá-Carneiro como estudante no liceu Luís de Camões, e vai até 1916, aquando do seu suicídio, levado a cabo num hotel de Paris, e que é provocado pela ingestão de cinco frascos de arseniato de estricnina. Pelo meio, ficamos a conhecer a sua relação com o poeta Fernando Pessoa e com Santa-Rita Pintor, as suas apetências literárias, bem como a sua estada em Paris e o lançamento da revista Orpheu.

Elenco:
João Didelet – Mário de Sá-Carneiro
José Ribeiro – Fernando Pessoa
Vítor Torres – Carlos Augusto de Sá-Carneiro
José Manuel Mendes – José Paulino de Sá-Carneiro
Laura Soveral – ama
André Gago – Carlos Franco
Rui Luís Brás – Thomaz Cabreira Júnior
Paulo B. – Santa-Rita Pintor
Alexandra Pereira – Hélène
Manuel Cavaco – Porfírio
Fernando Taborda – Júlio
João Damasceno – criado da quinta
Carlos Sousa – cliente do café 1
Guilherme Fonseca – cliente do café 2
Carlos Janicas – cliente do café 3
Rui Damasceno – rececionista do Hotel Nice
José Manuel de Melo – gerente do Hotel Avenida
Leal Amado – funcionário da biblioteca 1
João Melo – funcionário da biblioteca 2
Pedro Luís – escriturário de Carlos Franco
Aníbal Batista – Araújo

4. Saudade – Soares dos Reis (02/01/1995)
António Soares dos Reis, um dos maiores escultores portugueses de todos os tempos, nasceu em Vila Nova de Gaia em 1847, cidade onde poria termo à vida 42 anos mais tarde, com um tiro de pistola. Através de um diálogo entre Teixeira Lopes e Diogo de Macedo Júnior, são recordados, em flashback, alguns dos aspetos da vida do mestre, onde se realça a sua personalidade atormentada e o seu drama interior, e onde se dá a conhecer o que foi “a sua dolorosa estrada para a morte”.

Elenco:
Jaime Azinheira – António Soares dos Reis
Ana Bustorff – Amélia Aguiar de Macedo
António Capelo – António Teixeira Lopes
João Paulo Costa – Diogo Macedo Júnior
Jorge Pinto – Pintor Resende
João Cardoso – Marques de Oliveira
Jorge Mota – Moreira Rato
José Gonçalinho – Rafael Bordalo Pinheiro
Mário Sancho – Abade Santana
Maria da Conceição Mendes – Emília Fungona
Júlio Cardoso – Dr. Diogo de Macedo
António Reis – Manuel Caniço
José Cruz – barbeiro
José Baptista – secretário da academia

Tendo como traço comum o suicídio, a série tomou o título de Outonos, porque foi de “quatro outonos interrompidos” que o autor e o realizador se lembraram quando se puseram a pensar nas vidas de cada uma das figuras retratadas.

Os quatro filmes foram exibidos na TV2 entre outubro de 1994 e janeiro de 1995 – um por mês –, à segunda-feira.

Misturando ficção e documentário, procurou-se fazer uma reconstituição de época o mais fiel possível, filmando cada história no lugar onde a ação realmente decorreu.

Jaime Azinheira, que viveu Soares dos Reis, era, também ele, escultor.

O realizador Francisco Manso confessou à TV Guia ter perdido dinheiro com a produção da série. Cada filme custou à volta de 25 mil contos, quando o valor acordado com a RTP era de 15 mil.

Partilhar:

Outonos