Primeiro Amor

Exibição:
27/05/1996 – 28/09/1996 (RTP 1)

Número de capítulos:
150

Novela de:
Manuel Arouca

Colaboração:
L. Lopes
Venâncio Cardoso
Ângelo Sajara

Direção musical:
Paco Bandeira

Encenação:
Armando Cortez

Produção:
Pedro Miranda

Realização:
Álvaro Fugulin
Lourenço J. de Mello

Direção geral:
Nicolau Breyner

Elenco:
Ana Brito e Cunha – Rosário
André Gago – Paulo
Anita Guerreiro – Arminda
António Aldeia – Adelino
António Pedro Cerdeira – Mário
Bernardo Varella-Cid – Ricky
Camacho Costa – Bocas
Carla Pires – Fátima (Fafá)
Cláudia Negrão – Teresa
Eduardo Viana – Júlio
Elisabete Almeida – Justina
Elisabete Toscano – Cecília
Eurico Lopes – Carlos
Filipe Ferrer – Daniel Cruz
Filomena Gonçalves – Sílvia
Guilherme Filipe – Agostinho
Henriqueta Maya – Maria Helena
Io Appolloni – Carla
Isabel Damatta – Noémia
João Nuno Martins – Nuno
José Gomes – Bolas
José Meireles – Fernando
José Raposo – Feliciano
Luís Esparteiro – Gonçalo
Manuel Cavaco – Rogério
Manuela Maria – Elvira
Márcio Ferreira – Damião
Maria Dulce – Piedade
Morais e Castro – Lourenço
Nicolau Breyner – Vítor Morais
Octávio de Matos – Catita
Patrícia Tavares – Xana
Paula Paes – Adélia
Paulo Matos – Eugénio
Pedro Górgia – Benjamim
Rita Salema – Vitória
Rosa Villa – Lila
Rui Luís – Eliseu
Sílvia Rizzo – Susana
Sofia Sá da Bandeira – Filipa
Susana Dias – Rita
Vera Alves – Guida
Vítor Rocha – Manuel

Participações especiais:
Sofia Alves – Catarina
Waldemar de Sousa – Médico
José Alves – Massagista do União Serrense
Almeno Gonçalves – Figueiroa
Luís Filipe Costa – Entrevistador
António Cid – Dr. Moreira
Tiago Aldeia – Aluno da catequese
Jorge Veiga Xavier – Entrevistador
José Eduardo – Manilha
Isabel Almeida – Amiga de Catita
Jorge Estreia – Capanga
Rita Alagão – Patrícia
Carlos Lacerda – Médico de Vítor
Sandra Celas – Mena
Sónia Guimarães – Raquel
David Silva – Marquês
Margarida Carpinteiro – Cabeleireira de Carla
José Boavida – Vítor (flashback)
Rui de Sá – Bolas (flashback)
Beto – Bombista
Henrique Santos – Padre
Ivan Coletti – Editor do livro de Vítor

Na bonita e romântica vila de Sintra, assiste-se a um confronto entre a paz e o progresso. O crescimento económico desta região traz consigo inúmeros problemas personificados por duas famílias lideradas por Daniel Cruz (Filipe Ferrer) e Piedade Silvério (Maria Dulce). O primeiro, possui uma cadeia de grandes supermercados; a segunda, uma cadeia de talhos. O confronto entre as grandes superfícies e o comércio tradicional desenrola-se lado a lado com a luta pela presidência de um clube de futebol: o União Serrense Futebol Clube.

Entre as constantes disputas pelo poder, a vila de Sintra serve também de cenário a grandes histórias de amor. É o caso do par constituído por Rita (Susana Vitorino) e Carlos (Eurico Lopes). Filha mais velha de Daniel Cruz e oriunda de uma das melhores famílias da região, Rita recusa-se a aceitar o autoritarismo do pai e apaixona-se por Carlos, o humilde filho do jardineiro. Este, com a morte do pai, é afastado da casa dos Cruz e inicia uma fulgurante carreira futebolística. Os dois jovens mantêm o relacionamento em segredo e trocam juras de amor eterno. No entanto, deslumbrado com o sucesso e com o dinheiro proveniente de uma bem-sucedida carreira, Carlos envolve-se com outras mulheres. Rita não lhe perdoa a traição e, tempos depois, aceita casar-se com Gonçalo (Luís Esparteiro).

Para grande satisfação de Daniel, Rita e Carlos separam-se e só voltam a reencontrar-se alguns anos depois. Nessa altura, Rita, já formada em Medicina, é responsável pelo parto de Catarina (Sofia Alves), a mulher de Carlos, que morre ao dar à luz. O futebolista vê-se, assim, a braços com a criação da filha. É neste contexto que Rita e Carlos se voltam a encontrar e admitem que não podem viver um sem o outro.

Em casa da família Cruz, não é somente Rita que sofre com o autoritarismo do pai. A esposa de Daniel, Maria Helena (Henriqueta Maya), submete-se a todas as vontades do marido e esconde da família a verdade acerca da expulsão de Daniel do Conselho Superior de Magistratura. O filho mais velho do casal, Manuel (Vítor Rocha), optou por uma carreira jornalística, apesar da oposição do pai. Os dois discutem frequentemente porque Daniel acredita que só o jornalismo de opinião é que tem interesse, enquanto que o filho pretende enveredar pelo jornalismo de investigação. Mário (António Pedro Cerdeira) também sofre de grandes pressões familiares. A filha mais nova, Guida (Vera Alves), é uma rapariga doce e calma. Dedica-se a obras sociais, apesar da discordância do pai.

A família de Piedade Silvério é outro dos pólos da ação. Viúva, mas possuidora de um forte caráter, cria sozinha os seus três filhos. O mais velho, Feliciano (José Raposo), é o responsável pela contabilidade de todos os talhos da família. É casado com Sílvia (Filomena Gonçalves), uma professora de ginástica aeróbica. Os dois vivem o drama de não poderem ter filhos. Vitória (Rita Salema) trabalha numa agência de publicidade e tem uma relação conflituosa com a mãe, porque esta não aceita o seu namoro com Paulo Baptista (André Gago). Benjamim (Pedro Górgia), o filho mais novo, é um jovem que sonha em formar um grupo de música rock.

Vítor Morais (Nicolau Breyner) personifica o lado mais misterioso da trama. Inválido e possuidor de uma identidade falsa, Vítor escreve para o jornal O Observador e aconselha a filha, Filipa (Sofia Sá da Bandeira), a dedicar-se ao jornalismo de investigação. A jovem jornalista começa a pesquisar um estranho caso de emissão de notas falsas. Rogério (Manuel Cavaco) é alvo das maiores suspeitas por parte de Filipa, quando ela descobre que ele é chefe de uma organização criminosa que utiliza jovens delinquentes como Damião (Márcio Ferreira). Agostinho Figueiredo (Guilherme Filipe), o diretor do jornal O Observador, sugere a Filipa desenvolver a sua investigação juntamente com os jornalistas Manuel Cruz e Rosário Almeida (Ana Brito e Cunha).

Carlos Filipe e amigos

Carlos Filipe Matos (Eurico Lopes)
Talentoso jogador de futebol, é a estrela do União Serrense. Com o clube imparável, a caminho da Primeira Divisão, atira-se-lhe drama à vida: a mulher morre no parto da filha, Catarina. Na sua juventude, vivera uma paixão avassaladora (o seu primeiro amor) com Rita, relação abruptamente rompida no auge da paixão. O pai, agarrado ao álcool, fora jardineiro da família Cruz. Casou com Catarina e, a segundos de ser pai, reencontra Rita, a obstetra que faz o parto da filha. Quando a mulher morre, o mundo desaba-lhe em cima. O clube falha a subida por falta de pontaria sua num remate e o coração volta a bater por Rita. Os seus melhores amigos são Bolas e Elvira, que o ajudam na criação da filha.

Artur Pinto – ‘Bolas’ (José Gomes)
Amigo e confidente de Carlos Filipe. Foi ele quem lhe detetou o precoce talento, quando o via de bola colada ao pé pelos terrenos baldios. Afetivo em relação ao clube, trabalha como roupeiro. Esconde a sete chaves o seu passado, do qual não deixa ver frincha. Tem um derriço por Elvira, cuja cumplicidade faz o espectador torcer para que desabroche romance.

Elvira (Manuela Maria)
É surda de um ouvido, e isso não a apequena, driblando a deficiência auditiva sempre com um sorriso colado aos lábios, percebendo coisas estranhas e contrárias do que foi dito. Frequenta a casa de Piedade, onde por vezes cozinha, e coloca alguma ordem em casa de Carlos e de Artur, por quem se afeiçoa. Boa amiga e fiel, é ela que, com pancadas fortes, faz de despertador a Bolas.

Família Cruz

Daniel Cruz (Filipe Ferrer)
Empresário fulgente, dono de uma cadeia de grandes supermercados. É um homem pouco escrupuloso e autoritário. O pai era juiz e, na família, não lhe deram oportunidade de escolher: desse por onde desse, magistrado seria. Fintou os trilhos do destino quando foi incumbido de salvar os negócios do pai de Maria Helena, com quem se casou por dinheiro. Foi juiz e, por corrupção, expulsaram-no da Magistratura. Almeja tornar-se o presidente do União Serrense. Prepotente, azedo, gosta pouco que o contrariem. Teima em traçar o rumo da vida dos filhos (Manuel, Rita, Mário e Guida), com quem mantém uma relação muito tensa e conflituosa. Tem uma afeição especial por Paulo.

Maria Helena (Henriqueta Maya)
A submissa esposa de Daniel. Silenciosa, medrosa e recatada, teme que, por alguma palavra sua, se desfaça a unidade familiar que tanto preza e que tudo faz para manter. Guarda uma carta misteriosa no interior da Bíblia Sagrada. É católica devota. Conhece o feitio do marido, que, conformada, aceita.

Manuel (Vítor Rocha)
Jornalista do jornal O Observador já com certo nome, assina a página económica do semanário. Defende afincadamente os valores em que acredita, mesmo que isso implique ir de encontro aos interesses do pai. Entrega-se à profissão com alma e, espicaçado pelos acontecimentos, não hesita em finalmente dar o salto para a reportagem.

Rita (Susana Vitorino)
Jovem médica de grande caráter. Dos irmãos, é talvez a mais geniosa no temperamento, quase tirado a papel químico do feitio de Daniel. Devido à discordância do pai, abandonou o namoro com Carlos, a verdadeira paixão da sua vida. Está grávida de Gonçalo, com quem casou, apesar de não gostar dele. Vivem um casamento morno.

Mário (António Pedro Cerdeira)
Tímido, reprimido, sentimental e gago. Obedece calado sempre que o pai o manda “pôr a fralda para dentro”. O curso de Direito que tira aos solavancos, sem grande vocação, é imposição de Daniel, que tem garbo em acrescentar mais um juiz à sua linhagem. Tudo fará para o deixar a meio e realizar o seu sonho de ingressar na Marinha. Tem um fraquinho por Vitória.

Guida (Vera Alves)
Rapariga doce e terna, profundamente religiosa, dedica-se a obras sociais, sobretudo à reinserção de delinquentes. Dá catequese a jovens desfavorecidos. De feitio bondoso, tem sempre palavra amiga e tenta temperar os ânimos acicatados lá de casa. Para vencer o ócio, entrega-se à moldagem de santos de barro. Desperta o amor de Paulo.

Gonçalo Mendes Ferreira (Luís Esparteiro)
Marido de Rita. Reúne as características que Daniel valoriza e não encontra nos seus filhos. Administrador dos DC, é todo ele melífluo e falsos sorrisos. Mulherengo, oportunista e cínico, sente a sombra de Carlos a tumultuar-lhe a arrastada relação com Rita, com quem casou mais para ganhar algum ascendente profissional. Tem um caso com Susana, a fria relações-públicas dos DC. Parece ter algum encanto que faz com que Maria Helena se perca em atenções para com ele.

Justina (Elisabete Almeida)
Empregada da casa dos Cruz. Devota aos patrões.

Adelino (António Aldeia)
Motorista de Daniel Cruz.

Família Silvério

Piedade Silvério (Maria Dulce)
Dona de uma cadeia de talhos, é uma mulher generosa e lutadora. É a alma mater do União Serrense, clube que passou a gerir depois de o marido, Norberto, ter morrido. Mulher de pulso forte – “antes quebrar que torcer” –, é dominadora, não deixando que a dominem. Alardeia força e pujança tanto no clube como nos talhos, cuja gestão divide com Feliciano, onde hasteia, vigorosa, a bandeira do comércio tradicional. É algo retrógrada e tacanha nos valores.

Feliciano (José Raposo)
Filho mais velho de Piedade e, talvez, o único que vai seguindo os caminhos apontados pela mãe. Casado com Sílvia, é um Peter Pan em corpo adulto. Fascinado pela construção de brinquedos de madeira, almeja conseguir fazer deles sustento. Bom garfo, pela-se pelos cozinhados de Arminda, embora seja vegetariano. Tem vontade de ser pai.

Vitória (Rita Salema)
A filha do meio. Trabalha numa empresa de publicidade, ofício que cumpre com brio. Feitio encrespado, é uma fiel defensora da mãe, provando ter uma lealdade filial a toda a prova. Embora reconheça que Paulo tem um feitio esconso e um carácter dúbio, gosta dele e, por ele, é capaz de mentir à mãe.

Benjamim (Pedro Górgia)
Filho mais novo de Piedade. Jovem comum, rebelde, contestatário. Aluno mediano do 12.º ano, é cábula. Sonha em ter uma banda onde será baterista e suspira de amores por Xana, a quem quer tirar a virgindade.

Sílvia (Filomena Gonçalves)
Mulher de Feliciano. Professora de aeróbica. Tem pêlo na venta e orgulha-se de ser independente. Anseia ter um filho, embora não se sinta completamente feliz no casamento. Critica o marido por acatar, quase sem objeção, os ditames de Piedade, com quem tem uma relação tremida.

Arminda (Anita Guerreiro)
Empregada de Piedade, cuja casa trata com esmero, como se fosse da família Silvério. É uma doceira de mão cheia, fazendo um leite-creme gabado por todos. Sofre de insónias e gosta de misturar os comprimidos para dormir nos sumos que serve…

Família Morais

Vítor Morais (Nicolau Breyner)
Sorumbático, rabo-de-cavalo a apanhar-lhe o cabelo, é todo ele um mistério. Move-se numa cadeira de rodas, fruto de um acidente que o deixou inválido. Por razões que não confessa a ninguém, enveredou pela solidão. Vive incógnito e numa enorme amargura. Namora com Adélia e resmunga com Fernanda, que lhe arranja a casa. Escreve crónicas que deliciam os leitores do Observador, usando o pseudónimo de Afonso Rocha. Apoia a carreira da filha, Filipa.

Filipa Morais (Sofia Sá da Bandeira)
Jovem jornalista, inteligente e determinada, disposta a correr riscos para conseguir “furos jornalísticos”. Não pode soltar à boca cheia ser filha do famoso Afonso Rocha, como talvez gostasse de o fazer. Respeita a privacidade do pai, a quem copiou na profissão. Exagera na frieza que o trabalho lhe exige, tornando-se quase um pãozinho sem sal. Vai investigar o caso das notas falsas.

Adélia (Paula Paes)
Companheira de Vítor. Por vezes, queixa-se de que o namorado não a compreende, mas, sentimental, lá o vai percebendo. É hostilizada pelos habitantes da vila, que a acusam de se aproveitar do cadeirante. Tem um filho, que cria sozinha.

Eliseu (Rui Luís)
Mora nas redondezas da casa de Vítor e ajuda-o sempre que necessário, sobretudo quando o amigo pretende sair de casa para ir ver o mar.

Fernanda
Empregada da limpeza de Vítor. Resmunga com Adélia, não aceitando a sua presença naquela casa.

O Observador

Agostinho Figueiredo (Guilherme Filipe)
Diretor do jornal O Observador. Enfarinhado com o futuro da imprensa, preza o jornalismo de qualidade, incentivando os seus repórteres a serem os melhores. Sente a pressão da administração, que lhe tolhe alguns movimentos. Pertence a uma velha guarda de jornalistas boémios, viciados no álcool. Tem uma paixão por Filipa e necessidade de fazer sentir que é o diretor – ou, como colocou na porta do gabinete: “the boss”. Tem sempre uma resposta espirituosa pronta para largar. Sente admiração pelo colunista Afonso Rocha, embora não faça a menor ideia de quem se trata.

Rosário Almeida (Ana Brito e Cunha)
Estagiária do Observador. Geniosa e voluntariosa, procura a sua primeira manchete. Não morre de amores por Filipa, mas respeita-lhe o trabalho. Parece admirar o trabalho de Manuel, com quem fará dupla.

Cecília (Elisabete Toscano)
Secretária de redação do Observador.

Nuno (João Nuno Martins)
Jornalista do Observador.

DC Supermercados

Susana Antunes (Sílvia Rizzo)
Relações-públicas dos DC. Move-se com desenvoltura pelas areias movediças do poder. Tem ambição desmedida e um corpo de deixar qualquer homem de queixo caído. Casada com Fernando, numa união à beira do fim, é o objeto de desejo de Gonçalo. Dona de um gosto refinado e de um jacúzi lascivo, determinou que o homem que escolher para se deitar na sua cama será seu para sempre. Assumindo uma identidade falsa – Lídia, uma jovem estudante de História –, seduz Manuel, para que ele escreva um artigo a favor dos supermercados.

Teresa Cabral (Cláudia Negrão)
Secretária da Administração dos DC. Competente, jovial e interessada no que faz. Fiel a Gonçalo, não simpatiza com Susana.

União Serrense

Lourenço (Morais e Castro)
Empresário de jogadores. Aliado de Cruz na tentativa de destituir Piedade da presidência do União Serrense. De mãos untadas pelo dinheiro, zela primeiro pelos seus interesses e só depois pelos dos jogadores que representa. De charuto em punho, é brejeiro e parolo. Vai ter um bar, o El Contado.

Fernando Nunes (José Meireles)
É o treinador do União Serrense. Empenhado em levar o clube até à alta-roda futebolística nacional, no banco é honesto e competente. Quando Carlos Filipe falha um golo, colocando o clube no inferno, cede à pressão e torna-se maleável à corja que à sua volta gravita. O casamento com Susana está à beira do fim. Sentirá um frémito de paixão que o colocará num sarilho.

Eugénio Silva (Paulo Matos)
Tesoureiro do União Serrense. Para lá entrou pela mão do marido de Piedade. Desunhou-se para estancar a hemorragia financeira do União. Piedade acusa-o de fazer jogo duplo. Simpatiza com Daniel por se rever nas suas ideias progressistas. Titubeante, de feitio tímido, vai dar largas à paixão.

Outros personagens

Paulo Baptista (André Gago)
Gerente da discoteca Emoções, um dos “inferninhos” mais badalados da noite de Sintra. Tem a fama e o proveito de ser mulherengo inveterado, gostando de aveludar os mistérios de la movida. É um sacana travesso, aliciado pelo poder e pelo dinheiro. Diz que nunca se apaixonou, arrastando uma longa falange de mulheres atrás de si. Sedutor, percebe-se que por baixo do veludo que o envolve existem ligações ao bas-fond. Tem um caso com Vitória, a quem trata com descaso. Com Guida, experimentará a sensação de estar apaixonado.

Carla Baptista (Io Appolloni)
Bella donna italiana, de sotaque retocado, mãe de Paulo. Teve uma paixão avassaladora no passado, à qual perdeu o rasto. Atualmente, é o amore mio de Daniel. Harmoniosa, inteligente e com uma rede de contactos invejável, dá aulas de etiqueta e de pose às suas discípulas, ensinando-as a representar um papel que já foi o seu. Quando elas falham, é implacável e aplica-lhes severos castigos.

Damião (Márcio Ferreira)
Miúdo de rua, vive má vida, entregue ao deus-dará, sendo um joguete nas mãos mafiosas de Rogério e seus capangas, para quem faz serviços pouco asseados. Desperta o interesse de Guida, que lhe tenta travar o futuro de trevas a que parece condenado. Sonha em conhecer o pai, que está no Brasil.

Ricky (Bernardo Varella-Cid)
Amigo de Damião, com a vida tão estraçalhada quanto a dele. Aluno de catequese de Guida.

Rogério Gonçalves (Manuel Cavaco)
É o principal fornecedor de brinquedos dos DC Supermercados. Meliante, trapaceiro, de gosto duvidoso, algo fanfarrão. Usa jovens de bairros degradados para as suas tarefas melífluas. É o pai de Xana, a quem pouca atenção dedica. Tem um romance com Lila, que já conheceu melhores dias.

Xana (Patrícia Tavares)
Filha adolescente de Rogério. Aluna certinha, esmera-se nos estudos e preza muito a sua privacidade. Apaixonada por Benjamim, quer ter a certeza de que ele é o homem certo a quem entregar, quando for caso disso, a sua virgindade. Sonha em montar uma banda. Tem ciúmes de Fafá.

Lila Rodrigues (Rosa Villa)
É a secretária de Rogério. Pavoneia-se pelo escritório, embasbacando o coração do patrão e dos homens que por lá passam. Ardilosa e interesseira. Receberá lições de etiqueta de Carla para lhe consertar os parcos modos.

Júlio (Eduardo Viana)
Homem de mão de Rogério. Dirige os trabalhos na tipografia que imprime as notas falsas. É encarregado de “fazer a folha” a Damião.

Catita (Octávio de Matos)
Forma com Bocas a dupla de maqueiros do União Serrense. Bombeiro castiço. Pela-se pela administração de Piedade, que gostaria que continuasse ao leme do clube.

Bocas (Camacho Costa)
Tem o mesmo apelo sentimental de Catita ao clube, mas diverge do colega de profissão no nome de quem gostaria de ver nos comandos do União. Para ele, a escolha mais indicada seria Daniel.

Patrícia (Rita Alagão)
Uma das discípulas de Carla. É contratada para tirar a virgindade a Mário. Sente no próprio corpo as velhacarias dos homens e abre as portas para o desmantelamento da rede.

Lourença
Empregada de Rita e de Gonçalo.

Albertina
Secretária dos Talhos Silvério.

Noémia (Isabel Damatta)
Secretária da Vitalidade, nova sociedade de Vitória e Piedade.

Fafá (Carla Pires)
Vocalista dos H2O, banda idealizada por Benjas e Xana. É o motor de ligeiras crises de ciúmes entre o casal.

Camané
Manager dos H2O.

Participações especiais

Catarina (Sofia Alves)
Mulher de Carlos Filipe, de origem açoriana. Morre aos 23 anos, ao dar à luz.

Laurinda
Sogra de Carlos. Quer acompanhar o crescimento da neta e, embora viva nos Açores, oferece-se para ajudar Carlos a criá-la.

Médico (Waldemar de Sousa)
Colega de Rita no hospital. Percebendo o seu nervosismo, auxilia-a no parto de Catarina.

Massagista (José Alves)
Massagista do União Serrense. Envolve-se no caso de dopagem dos jogadores, colocando estimulantes na bebida isotónica.

Figueiroa (Almeno Gonçalves)
Foto-repórter do Observador. Uma reportagem sobre notas falsas tira-lhe a vida, sendo abatido a tiro.

Entrevistador (Jorge Veiga Xavier)
Entrevista Piedade no difícil momento em que renuncia à direção do União Serrense, após ser acusada de vender carne contaminada nos Talhos Silvério.

Manilha (José Eduardo)
Pinta de larápio, palrante como poucos, sonha ser conhecido como reputado ladrão e fazer as manchetes do Observador.

Amiga de Catita (Isabel Almeida)
Acompanha Catita a uma patuscada, revelando ter pouca paciência para com ele.

Raquel (Sónia Guimarães)
Espanta todos ao colocar rosas vermelhas na campa do pai de Carlos. Evasiva e misteriosa, é hospedeira de bordo e vai despertar a afeição do jogador de futebol.

Mena (Sandra Celas)
Acompanhante de luxo apresentada a Gonçalo no El Contado.

Marquês (David Silva)
Cliente habitual das “meninas” de Carla, fica encantado com Filipa e, no primeiro encontro, oferece-lhe uma jóia valiosíssima.

Capanga 1 (Jorge Estreia)
Ao serviço da quadrilha das notas falsas, executa serviços sujos.

Capanga 2
Responsável por várias tentativas de homicídio (algumas delas consumadas) ocorridas durante a novela.

Cabeleireira (Margarida Carpinteiro)
Cabeleireira de Carla, trata-lhe do cabelo num dia especial.

Padre (Henrique Santos)
Pároco que celebra o casamento de Carlos e Rita.

Com a missão de substituir a elogiada Roseira BravaPrimeiro Amor não desiludiu, apresentando-se com uma trama ágil e consistente.

Os primeiros episódios foram exibidos em simultâneo com os últimos da sua antecessora. Foi a primeira vez que a RTP recorreu a esta estratégia de programação, que já era correntemente usada pela SIC.

No dia 26/05/1996, véspera da estreia, a RTP exibiu um making of, no qual Virgílio Castelo assumiu o papel de guia e de entrevistador. Em forma de reportagem, o ator apresentou vários momentos de ação por detrás das câmaras, desde a partida das equipas para as gravações exteriores até às cenas nos estúdios da NBP.

Virgílio Castelo entrevista Rita Salema

Concebida para ser exibida durante cerca de sete meses – considerando a exibição de segunda a sexta –, Primeiro Amor acabou por ficar apenas quatro no ar, para que a novela seguinte, Vidas de Sal, estreasse por altura da rentrée televisiva.

Em determinadas ocasiões, a novela foi exibida de segunda a domingo, por vezes em episódios duplos, concorrendo diretamente com a SIC, que apresentava duas novelas em horário nobre (Explode Coração e História de Amor).

Se o romance de Carlos (Eurico Lopes) e Rita (Susana Vitorino) parecia ser o mote do enredo, essa trama acabou por perder expressão, abafada pelas interpretações de veteranos como Filipe Ferrer, Maria Dulce, Manuela Maria, José Gomes e Manuel Cavaco.

Maria Dulce

Io Appolloni, presença pouco habitual na televisão e neste género televisivo em particular, representou um dos papéis mais emblemáticos da história.

Apesar de terem contracenado em apenas uma cena, Io Appolloni e Nicolau Breyner foram responsáveis por um dos momentos mais emocionantes da novela – o reencontro entre Carla e Vítor, após muitos anos sem saberem um do outro –, conseguindo transmitir a emoção de um grande amor que ficara adormecido durante décadas.

Quem também se evidenciou foi o jovem Márcio Ferreira, no papel do menino de rua Damião. Depois de ter sido revelado no concurso Pátio da Fama (1994) e de ter defendido um papel pequeno em Roseira Brava, teve aqui o momento alto da sua carreira. Apesar de também estar presente no elenco a sua irmã, Patrícia Tavares, os dois contracenaram apenas numa cena.

Primeiro Amor marcou a estreia dos atores Eurico Lopes, Pedro Górgia, Susana Vitorino e Vera Alves.

Elisabete Almeida, a intérprete de Justina, serviçal dos Cruz, fora também revelada no Pátio da Fama.

Quem também aparecia de relance em algumas cenas era o ator Tiago Aldeia (nesta altura, com apenas 9 anos).

Paco Bandeira, autor da banda sonora, fez uma aparição na telenovela, num arraial realizado para promover a candidatura de Piedade (Maria Dulce) à presidência do clube.

Também a jornalista Dina Aguiar surgiu numa participação, como moderadora de um debate entre Piedade e Daniel (Filipe Ferrer).

O futebolista Carlos Manuel, na época treinador do Estoril, apareceu a fazer declarações sobre Carlos Filipe.

Foram várias as cenas de exteriores gravadas em Sintra:

– As cenas do União Serrense foram rodadas nas instalações do Janas Futebol Clube.

– A casa de Daniel Cruz era a Quinta do Pé da Serra, espaço destinado à realização de casamentos e outros eventos.

– A pitoresca residência de Piedade era a Casa Miradouro, que atualmente funciona como alojamento local.

O par romântico do genérico foi vivido pelos atores Carla Salgueiro e Juan Soutullo.

Foi lançado um CD com algumas das músicas tocadas na novela:

GENÉRICO
PRIMEIRO AMOR – Lara Li (tema de Carlos e Rita)
ESPELHO MEU – Io Appolloni e Nicolau Breyner (tema de Carla e Vítor)
A JUSTIÇA DA VINGANÇA – Paco Bandeira (tema de Vítor)
PIEDADE OU NADA – Lenita Gentil (tema de Piedade)
OBSESSÃO – Lara Li
DE RÉU E DE JUIZ – Paco Bandeira (tema de Daniel)
LENDAS PERDIDAS – Ajakalma e Carla Pires (tema de Benjamim e Xana)
O JOGO DOS DESTINOS – Zé Carvalho
SONHOS DESFEITOS – Miguel (tema de Mário)
PARTES COMIGO – Carla Pires
SE ME QUERES ESQUECER – João Carlos (tema de Vitória)

Outros temas tocados na novela foram:

DE RÉU E DE JUIZ (2.ª versão) – Carla Pires (tema de Daniel)
CADA QUAL (1.ª versão) – Paco Bandeira (tema de Paulo)
CADA QUAL (2.ª versão) – Piedade Fernandes (tema de Guida)
O AMOR É… – Paco Bandeira (tema de Elvira)
O VERDADEIRO HOMEM – Paco Bandeira
JOGADOR DA BOLA – Zé Carvalho

Temas instrumentais:
ALEGRIA BREVE – Paco Bandeira
HERDEIRO DAS MARÉS – Paco Bandeira
PERSONAGEM DA NOITE – Paco Bandeira
MUSA – Paco Bandeira
TABLAS – Paco Bandeira
OESTE – Jorge Ganhão

A novela encontra-se disponível para visualização no portal RTP Arquivos.

Partilhar:

Primeiro Amor