Vila Faia (2008)

Exibição:
08/03/2008 – 09/05/2009 (RTP 1)

Número de capítulos:
120

Escrita por Scriptmakers:
Joana Jorge
Alexandre Castro
Andreia Vicente
José Pinto Carneiro
Miguel Crespo
Rui Vilhena

Direção musical:
Elvis Veiguinha

Direção de produção:
Alexandre Hachmeister

Realização:
Duarte Teixeira
Sérgio Graciano

Direção de projeto:
Patrícia Sequeira

Elenco:
Albano Jerónimo – João Gudunha
Ana Guiomar – Joana
André Gago – Nuno
Cleia Almeida – Cristina
Dânia Neto – Laura
Filomena Gonçalves – Agente Filipa Silveira
Frederico Barata – Agente Lino Balhão
Gonçalo Diniz – Gaspar Guerreiro
Gonçalo Robalo – Rui dos Anjos
Ian Velloza – José Diniz
Inês Castel-Branco – Mariette
Isabel Almeida – Aurora
João Catarré – Alberto Camacho
José Neves – Miguel
Leonor Seixas – Lúcia Henriques
Madalena Brandão – Ana
Manuel Wiborg – Diogo Castro
Márcia Breia – Ermelinda da Fé
Maria Simões – Ercília
Mariana Norton – Mariana
Marta Leite de Castro – Sofia Gouveia
Martinho Silva – Manuel
Paula Só – professora
Paulo Pinto – Inspetor Joaquim Serôdio
Pedro Lacerda – António da Fé
Pedro Saavedra – Bruno Brisar
Pepê Rapazote – Henrique Gouveia
Pompeu José – José Balhão
Rita Frazão – Cláudia
Rita Lello – Luísa
Rosa do Canto – Alice
Ruben Gomes – Pedro
Sabri Lucas – Fernando
Sandra Faleiro – Inês Brisar
Simone de Oliveira – Ifigénia
Sofia Sá da Bandeira – Madalena
Suzana Borges – Beatriz
Vasco Valério – Leo Serôdio
Virgílio Castelo – Gonçalo

Participações especiais:
Manuel Lourenço – Carlos Anselmo
Victor Gonçalves – Inspetor João Ribeiro
Jorge Silva – advogado de Manuel
Inês Rosado – mulher que comunica o acidente de Gonçalo
Jorge Gonçalves – médico que opera Gonçalo
Luís Lucas – médico que diagnostica a leucemia a Mariette
Filipe Vargas – advogado de Camacho
Laura Soveral – tia de Gaspar

Gonçalo Marques Vila (Virgílio Castelo), um dos mais conhecidos e reputados engenheiros vinícolas do país, só tem motivos para estar feliz: vai lançar um novo vinho, numa festa com toda a pompa e circunstância, na quinta da família em Azeitão. O vinho, preparado pelo enólogo Carlos Anselmo (Manuel Lourenço), recebe os maiores elogios.

No decorrer da festa, um incêndio que lavra nas redondezas assombra a celebração. Mariette (Inês Castel-Branco), uma prostituta contratada para acompanhar um empresário brasileiro que assistia à festa, fica perdida na mata, no meio das chamas, depois de ter sido escorraçada da mansão pelo chefe de pessoal da Marques Vila, o prepotente e ambicioso Henrique (Pepê Rapazote).

À festa chega também, sem convite, João Gudunha (Albano Jerónimo): tem pressa em encontrar o amigo Zé Diniz (Ian Velloza), pois este tem consigo o seu passaporte. Desesperado pela falta de oportunidades profissionais em Portugal, Gudunha tem viagem marcada para o Canadá, à procura de um futuro melhor. Ao ouvir os gritos insistentes de socorro de Mariette, com o fogo a rodeá-la, Gudunha não se faz rogado e tenta salvá-la. Combalido e extenuado, deixa-a com a promessa de regressar minutos mais tarde, com os bombeiros.

Ninguém é capaz de imaginar que o fogo que a todos arrelia foi posto por um dos convidados da cerimónia: o interesseiro Gaspar Guerreiro (Gonçalo Diniz). Frio e calculista, consegue surripiar o isqueiro a Carlos Anselmo (Manuel Lourenço) e coloca em chamas a reputação do enólogo, a quem cobiça o lugar, colocando-o como principal suspeito de um crime para o qual está inocente. Caindo nas boas graças de Gonçalo, Gaspar consegue o lugar que ambiciona na Marques Vila.

Gaspar incendeia a mata

De sobrolho levantado com a lengalenga de Gaspar e enfarinhado pela sua ciclópica promoção na empresa fica Henrique, que aprimora a bajulice e inicia uma autêntica perseguição espertina ao recém-contratado. E mais acirrados ficam os ânimos quando Gaspar conquista a advogada da empresa, Sofia (Marta Leite Castro), pondo fim a um casamento já desgastado desta com Henrique.

Henrique

Lúcia (Leonor Seixas) um dos esqueletos do armário do passado de Gaspar, reencontra-lhe o rasto e, disposta a não perder o seu amor, mantém-no debaixo de olho. Entre emotivas revelações e especulações, vão-se percebendo gestos e atitudes de Henrique e de Gaspar, envolvidos numa guerra corpo-a-corpo pelo poder na empresa.

Lúcia

Com a empresa frenética e em ebulição, Gonçalo não encontra paz em casa. A mulher, Beatriz (Suzana Borges), resmoneando a pouca atenção que o marido lhe dedica, entrega-se aos afrontamentos causados pela menopausa. Desassossegada fica quando ouve taramela de que está eminente o regresso da família Marinhais a Portugal, depois de um exílio de seis anos no Brasil. É que, com a volta de Luísa (Rita Lello), teme que o seu casamento, que julgava ter em sossego, possa ficar em ponto de não retorno se forem verdade os temores subtis que crescem na sua cabeça: é que Gonçalo foi apaixonado por Luísa na juventude, e teme que a velha paixão se reacenda.

Desde pequena que Luísa demonstrara ser o que é: fogosa, ambiciosa e capaz de tudo para reentrar no coração de Gonçalo, a sua única e grande paixão. Por interesse – e na falta de melhor opção –, contraiu matrimónio com Nuno (André Gago), o melhor amigo de Gonçalo. Decidida a recuperar a felicidade perdida, Luísa joga os seus trunfos e vai minando o casamento de Beatriz e de Gonçalo, e este vai dando sinal de realidade à fantasia.

Gonçalo e Luísa

Os negócios no Brasil não correram bem aos Marinhais. Como o dinheiro escasseia, e sentindo o apelo da tentação a clamar, Nuno mostra o seu outro lado, envolvendo-se num negócio ilícito de contrabando de obras de arte, contando com a cumplicidade de Henrique e de Camacho (João Catarré), também funcionário da Marques Vila.

Nuno

Manuel (Martinho Silva), o filho de Nuno, ficara por Portugal, encarregando-se de delapidar o património da família em casinos clandestinos. Cativo amante do jogo, fica refém de Gaspar, que compra a lei da rolha com participação ativa no negócio que dinamitará a Marques Vila: a adulteração do vinho de exportação para o Brasil.

Manuel

A filha dos Marinhais, Ana (Madalena Brandão), menina contestatária e contrariada, renitente no regresso a Portugal, vai descobrir o amor ao lado de Zé Diniz e é amiga da delfim dos Marques Vila, Joana (Ana Guiomar).

Ana e Joana

Joana tem o planeta como principal preocupação e está sempre pronta a ter o seu “minuto verde”. Bem diferente é a sua irmã mais velha, Mariana (Mariana Norton). Certinha, viciada no trabalho na empresa do pai, como seu braço direito, vê o seu mundo virado do avesso quando sente frémito no coração. Rebelde, agreste e amante do risco é o seu irmão Pedro (Ruben Gomes). Estudante mediano, tem passatempo que oculta dos pais: luta boxe clandestinamente com o amigo Zé Diniz, justificando em casa as nódoas negras como marcas mais agressivas e destemperadas de treinos enérgicos de rugby com os amigos da faculdade.

Mariana
Pedro

A mãe de Gonçalo, Ifigénia (Simone de Oliveira), tem uma forte faceta de caridosa a vincar-lhe o temperamento. Por isso, não resiste a dar a mão a Gudunha, fazendo dele motorista na empresa do filho, e a Mariette, quando sabe que esta tem um filho, Rui (Gonçalo Robalo), de quem esconde a sua vida alternada, dizendo que trabalha como auxiliar numa clínica de enfermagem.

Mariette e Ifigénia

É nas cercanias da tasca da Tia Ermelinda (Márcia Breia) que Mariette mais frequentemente é vista. Ermelinda, mulher vivida que está sempre pronta a ajudar o seu amigo e que não resiste a espreitar o futuro nas cartas de tarot, trata quem entra na sua tasca com amizade e carinho. O estabelecimento fica no bairro onde mora Zé Diniz com a mãe, Alice (Rosa do Canto), senhorios do pequeno e modesto anexo onde mora João Gudunha.

Ermelinda e Fernando
João Gudunha

Com o pé aleijado como rescaldo do incêndio, Mariette procura tratamento na clínica onde trabalha a Dr.ª Madalena Andrade (Sofia Sá da Bandeira). Entre as duas nasce instantaneamente uma amizade, que faz de Mariette a nova empregada de limpeza da clínica. Madalena é casada com Miguel Andrade (José Neves), baterista, um casamento que o tempo corroeu e que a diferença de horários quase condenou ao divórcio.

Madalena e Miguel

Ambos têm uma filha, Cristina (Cleia Almeida), colega de curso de Pedro Marques Vila, com quem tem um namorico.

Cristina e Pedro

Na clínica, trabalha igualmente Bruno Brisar (Pedro Saavedra), o diretor financeiro, que oculta um terrível vício: é viciado em prostitutas. A sua esposa, Inês (Sandra Faleiro), é secretária da administração da Marques Vila, deseja ardentemente engravidar e, aos poucos, começa a desconfiar da fidelidade do marido.

Bruno e Inês

Os caminhos de Mariette e de Gudunha voltam a cruzar-se e, antes de ambos concluírem que não podem viver um sem o outro, o casal tem outra pedra no sapato: Balhão (Pompeu José), o chefe de armazém da Marques Vila, é encontrado morto. A brigada da PJ chefiada pelo inspetor Serôdio (Paulo Pinto) e pela agente Filipa Silveira (Filomena Gonçalves) parte na peugada do assassino. Mariette fora vista no local do crime, e entre ela e Serôdio nascerá um romance que lhe balançará o coração, com o filho deste, o traquina Leo (Vasco Valério), a torcer para que Mariette seja a mãe que lhe fugiu.

Quase ao cair da trama, com a Marques Vila a caminho da falência, provocada pelo escândalo com o vinho deteriorado exportado para o Brasil, Gaspar é morto com um tiro. A Mariette, é-lhe diagnosticada doença que lhe pode ser fatal. Verdades virão ao de cima, amainando o clima crispado de algumas relações e soltando-se surpresas que se julgavam impossíveis…

Família Marques Vila

Ifigénia (Simone de Oliveira)
A matriarca da família é segura, confiante, protetora e decidida. Com um grande sentido prático e uma queda para ajudar os outros, é a conciliadora de serviço. Apesar de ter um espírito aberto e de ser uma mulher de armas e muito dinâmica, assume a posição de avó protetora nos momentos difíceis.

Gonçalo (Virgílio Castelo)
É o chefe da família Marques Vila e líder do negócio de vinhos. Vive para a empresa, é workaholic, responsável e profissional. É racional e emocionalmente distante da família, apesar de se preocupar com o seu bem-estar. A paixão adolescente mal resolvida com Luísa Marinhais vai pôr em causa o seu casamento.

Beatriz (Suzana Borges)
É casada com Gonçalo. Abdicou de si para a família e vive em permanente frustração. Vai enfrentar a chegada da menopausa e vários choques na família, que vão trazer ao de cima a sua insegurança e angústia, mas também obrigá-la a um volte-face.

Mariana (Mariana Norton)
É a mais velha dos três irmãos. Workaholic, dinâmica e emocionalmente inexperiente, é a sucessora natural do pai à frente da Marques Vila e a principal impulsionadora da empresa rumo ao futuro. É a filha-modelo, mas a auto-repressão emocional vai ter um fim e levar a própria Mariana a descobrir-se como mulher.

Pedro (Ruben Gomes)
É o filho do meio dos Marques Vila. Irresponsável e sonhador, é o “menino-bem” insatisfeito, sempre à procura de novas emoções, como os combates ilegais. Ovelha negra entre os irmãos, vai ver-se obrigado a assumir os negócios da família quando menos se espera. No amor, também vai descobrir o prazer da transgressão.

Joana (Ana Guiomar)
É a filha mais nova dos Marques Vila. Apesar de levantar a bandeira ecologista com fervor, não é radical. Lutadora e idealista, tem um entendimento muito maduro para a idade sobre as relações humanas. Está cansada de ser a “miúda” lá de casa. Vai descobrir o amor através da Internet.

Ercília (Maria Simões)
Empregada da família Marques Vila, para quem trabalha há largos anos.

Família Marinhais

Nuno (André Gago)
É fraco, mas bom caráter. Mantém as aparências por ser apaixonado por Luísa, apesar de a família estar na bancarrota. A sua amizade antiga com Gonçalo não vai bastar para recuperar os negócios e para garantir que Luísa não abandone o casamento.

Luísa (Rita Lello)
Obstinada, sedutora e segura de si, é desligada da família e não olha ao caminho para chegar à meta. Não é diabólica, mas tem uma visão muito cáustica do mundo. Para ela, o casamento com Nuno é um negócio de conveniência. O amor da sua vida é Gonçalo.

Manuel (Martinho Silva)
Filho mais velho dos Marinhais. Irresponsável, trapalhão e viciado em jogo, não consegue assumir responsabilidades e vai-se esquivando sem grande mestria dos problemas que lhe caem em cima. Para alimentar o vício, é capaz de se envolver em esquemas pouco claros.

Ana (Madalena Brandão)
Filha mais nova dos Marinhais. Um pouco mimada mas arrojada, perspicaz e persistente, é mais inteligente e dinâmica do que pode fazer crer. Sente que o seu futuro não passa por Portugal, mas o amor pode mudar o seu rumo.

Aurora (Isabel Almeida)
Empregada dos Marinhais. Saco de pancada de Luísa.

Tasca da Ti Ermelinda

Mariette (Inês Castel-Branco)
Decidida mas ressabiada com o mundo, mãe galinha para Rui. Lutadora e realista, luta pela sua independência, por dar um futuro ao filho – que ama mais do que tudo no mundo – e por esconder dele que é prostituta. Nega as suas próprias emoções e não consegue aceitar o seu amor por Gudunha, especialmente quando descobre o carinho e conforto que sente ao lado de Serôdio.

Rui dos Anjos (Gonçalo Robalo)
Obediente, mas carente por não ter pai e viver num colégio interno, é o filho que todos os pais querem ter. É filho de Mariette e gostava que Gudunha assumisse o papel de seu pai. O futebol é a sua paixão.

Ermelinda da Fé (Márcia Breia)
Dona da tasca com o seu nome, é uma mulher sabidona e experiente. Conciliadora, é o ombro amigo de Mariette, Gudunha, Alice e de quase toda a gente que passa pela sua loja. Sensata, é uma mulher do povo. Tenta adivinhar o futuro através do tarot.

António da Fé (Pedro Lacerda)
Sobrinho de Ermelinda. Gingão e malandro, é um oportunista cobardolas, que vive de esquemas e tem uma queda por apostas. Envolve Manuel nos seus negócios marginais.

Laura (Dânia Neto)
Jovem despreocupada, assume a prostituição com descontração. Conhecida de Mariette, frequenta a tasca e tem Bruno como cliente habitual.

Fernando (Sabri Lucas)
Empregado da tasca Ti Ermelinda, é um gay bem-disposto e assumido, inovador, espirituoso e dinâmico. Diz aquilo que pensa com uma acutilância impressionante, mas sempre em tom divertido.

Família Andrade

Madalena (Sofia Sá da Bandeira)
Médica de medicina interna na Clínica Aqua Vita, é casada com Miguel, mas vive num marasmo emocional. É profissional, segura e interessante, e vai renascer para a vida quando sofre um grande choque. Não tem medo de assumir tudo, mesmo uma paixão proibida.

Miguel (José Neves)
Baterista de jazz, é casado com Madalena mas vive num alheamento da realidade e numa apatia permanente. A redescoberta do amor vai levá-lo a tomar decisões radicais.

Cristina (Cleia Almeida)
Crédula e ingénua (mas observadora), atenta, sensível e bem-disposta, é filha de Madalena e Miguel. Estudante dedicada, não tem ambições desmedidas, mas espera realizar-se, profissional e emocionalmente. É apaixonada por Pedro, que não lhe dedica grande atenção.

Família Diniz

Alice (Rosa do Canto)
Mulher-a-dias de Madalena, é humilde, simples e bisbilhoteira q.b. Para ela, o mundo ou é branco ou é preto. Vive preocupada com o filho, Zé Diniz, apesar de não ter motivos para isso.

José Diniz (Ian Velloza)
É o self made man (no sentido de se construir a si próprio), pois cresceu sem pai. Batalhador e amigo do seu amigo, é um romântico discreto, apaixonado por lutas corpo a corpo. É filho de Alice e auxiliar de enfermagem na Clínica Aqua Vita.

Empresa Marques Vila

Henrique Gouveia (Pepê Rapazote)
Ambicioso, sem escrúpulos e lambe-botas (sonso), não consegue ultrapassar a mediocridade. Para conseguir o que acha que merece, vai envolver-se em negócios paralelos. O seu sonho é tomar conta da Marques Vila, onde trabalha desde jovem e chegou a chefe de pessoal. É casado com Sofia.

Gaspar Guerreiro (Gonçalo Diniz)
É o enólogo da Marques Vila. Calculista, cínico, e manipulador, é um homem perigoso, mas educado e muito sedutor. Não conhece limites para os seus golpes e não tem o menor problema em usar as pessoas como meios para atingir os seus fins.

Lúcia Henriques (Leonor Seixas)
Teve uma paixão por Gaspar, abruptamente terminada quando o enólogo deixou o Algarve e foi para Lisboa. Arguta e perversa, tudo faz para lhe voltar a conquistar o coração.

João Gudunha (Albano Jerónimo)
É motorista da Marques Vila. Honesto e explosivo, tem bom coração mas a vida não lhe retribui. É o bom selvagem, mas vive amargurado pelo que a vida não lhe dá e por não conseguir lidar com a sua paixão por Mariette. É generoso, honesto, mas também muito impulsivo, o que lhe trará alguns dissabores.

Inês Brisar (Sandra Faleiro)
É a secretária da Marques Vila. Emotiva, simpática e determinada, quer ser mãe a todo o custo, mas o fantasma da infertilidade e a vida secreta do marido, Bruno, vão dificultar-lhe o sonho.

Bruno Brisar (Pedro Saavedra)
Marido de Inês. Ocupa o cargo de diretor financeiro da Clínica Aqua Vita. Apesar de viver um casamento aparentemente feliz com Inês, leva uma vida dupla: é fascinado por prostitutas.

Sofia Gouveia (Marta Leite Castro)
Independente, desencantada e sensual, é a advogada da Marques Vila. É casada com Henrique, mas este não satisfaz os seus desejos românticos, e a relação caiu na monotonia. Amiga do seu amigo.

Alberto Camacho (João Catarré)
Madeirense e “com muito gosto”, é motorista da Marques Vila. Para poder concretizar o seu sonho de voltar à terra natal, está disposto a fazer o que lhe dizem sem fazer perguntas, desde que paguem.

José Balhão (Pompeu José)
Humilde, serviçal e desconfiado, é o chefe de armazém da Marques Vila. Profissional e leal, vai descobrir coisas que não devia e sofrer com isso. É o pai de Lino.

Carlos Anselmo (Manuel Lourenço)
Enólogo da Marques Vila no início da história. Passa do céu para o inferno quando o seu isqueiro o implica no fogo que estraga a festa de lançamento do novo vinho. De nada lhe valem os lamentos e juras de inocência.

Polícia Judiciária

Inspetor Joaquim Serôdio (Paulo Pinto)
Inspetor-chefe da PJ, é esforçado mas amargurado pelo desaparecimento da mulher. É pai de Leo, colega de escola de Rui, e faz o melhor que pode para criar o filho. Ao conhecer Mariette, vai descobrir que é capaz de voltar a amar. É vizinho dos Andrade.

Leo Serôdio (Vasco Valério)
Filho de Serôdio, é um miúdo carente, que quer atenção, sendo frequentemente o “pestinha” e chegando mesmo a ter comportamentos próximos da delinquência. Torna-se amigo de Rui.

Agente Lino Balhão (Frederico Barata)
Inspetor da PJ, é filho de Zé Balhão. Bom filho, é um homem afável e porreiraço.

Agente Filipa Silveira (Filomena Gonçalves)
Elegante e feminina, é inspetora da PJ. Decidida e ativa, enfrenta com despreocupação os olhares reprovadores dos colegas homens mais conservadores, até porque sabe que profissionalmente é melhor do que a maioria deles.

Outros personagens

Cláudia (Rita Frazão)
Rececionista da clínica.

Professora (Paula Só)
Professora de Rui e Leo.

Diogo Castro (Manuel Wiborg)
Psicólogo, estudou com Madalena. Emigrou para Macau, onde viveu durante muitos anos. Ao retornar, trazendo inculcados hábitos orientais, procura a ex-colega, que lhe arranja um emprego na clínica.

Vila Faia é um remake da primeira novela portuguesa, com o mesmo nome. Este projeto, que teve como mentor Nuno Santos, então diretor de programas da RTP, surgiu no contexto das comemorações dos 50 anos da RTP.

Gravada em alta definição, foi a primeira telenovela produzida pela SP Televisão.

Vila Faia teve a sua antestreia na RTP 1 numa sexta-feira, 07/03/2008, dia em que a estação pública completou 51 anos. Contudo, a novela viria a ser exibida aos fins-de-semana, antes do Telejornal.

Esta opção por parte da RTP provocou uma grande polémica no meio artístico, que esperava um horário de maior visibilidade. Na apresentação oficial da novela, Simone de Oliveira exaltou-se no momento em que José Fragoso, diretor de programas, anunciou esta decisão, exclamando: “Isto é uma fraude. O senhor saia do seu lugar e vá cozer batatas”.

Apesar da apatia do restante elenco durante a apresentação, fazendo com que Simone afirmasse que “tinha de ser a velha a falar”, houve depois uma demonstração de solidariedade por parte de vários atores e autores, chegando a ser criada uma petição online para o efeito. Suzana Borges, Rita Lello, Ruy de Carvalho, Tozé Martinho e Manuel Arouca foram alguns dos profissionais que também mostraram o seu desagrado.

Apesar do horário, Vila Faia obteve um sucesso considerável, chegando a estar entre os 5 programas mais vistos do fim-de-semana.

Os 100 capítulos originais, de cerca de 24 minutos, foram transformados em 120, com 48 minutos cada. Houve, portanto, necessidade de desenvolver novos personagens e situações. Na verdade, o argumento, adaptado por uma equipa da Scriptmakers coordenada por Rui Vilhena, poucas semelhanças apresenta em relação ao original. Mais do que um remake, a versão da Vila Faia de 2008 parece ser uma nova história construída a partir das personagens da primeira telenovela portuguesa.

Logo no primeiro capítulo, temos uma aparatosa festa, onde é apresentado o vinho Vila Faia, evento que termina com um incêndio provocado pelo enólogo Gaspar (Gonçalo Diniz), personagem inexistente na versão de 1982. Pelo contrário, o capítulo de estreia da primeira Vila Faia é recheado de cenas de trazer por casa, não havendo grande ação. Gonçalo Marques Vila (Ruy de Carvalho) encontra-se rodeado de problemas domésticos e demonstra a sua indignação pelo facto de o seu filho Pedro (Nuno Homem de Sá) não se encontrar em casa à hora de jantar. Na Vila Faia de 2008, isso já é um acontecimento tão comum que apenas merece um ligeiro comentário.

Por outro lado, nota-se logo à primeira vista que as mulheres substituíram o tricot pelos telemóveis. Com efeito, em grande parte dos capítulos da primeira versão, quer dona Ifigénia (Mariana Rey Monteiro), quer Beatriz Marques Vila (Rosa Lobato Faria) entretinham-se com as suas agulhas enquanto conversavam sobre assuntos familiares. Em 2008, isso desapareceu. Quase todas as personagens usam e abusam dos telemóveis, cujas baterias por vezes se esgotam no mesmo instante.

Há também outros hábitos que se modificaram: se em 1982 quase todas as personagens fumavam Português Suave, em 2008 Gonçalo Marques Vila (Virgílio Castelo) faz questão de dizer que o ato de fumar se encontra fora de moda, talvez devido à entrada em vigor, no início desse ano, da lei 37/2007 de 14 de agosto.

Do rol de empregados da família Marques Vila, na nova versão apenas permanece a fiel Ercília (Maria Simões), personagem que apresenta muitas semelhanças com a que foi defendida por Adelaide João na Vila Faia de 1982.

Beatriz Marques Vila (Suzana Borges) é outra personagem cujo temperamento não mudou muito. Porém, as suas preocupações em 2008 não são exatamente as mesmas. A entrada na menopausa e os ciúmes derivados do antigo envolvimento de Gonçalo com Luísa Marinhais (Rita Lello) sobrepõem-se à aparente conformação que era a característica principal da personagem de Rosa Lobato Faria.

Beatriz em 1982...
... e em 2008

Uma personagem que mudou bastante foi Mariette (Inês Castel-Branco), que de prostituta de leitaria passa a usufruir de uma clientela mais seleta. Apesar de se queixar da crise, Mariette consegue manter o filho num colégio interno e produz-se bastante para melhor atrair os indivíduos do sexo oposto.

Mariette em 1982...
... e em 2008

Quem assistiu à primeira versão não pode deixar de reparar nas cenas ousadas de Mariette com Bruno Brisar (Pedro Saavedra), pois efetivamente, em 1982, as personagens interpretadas por Margarida Carpinteiro e Vítor de Sousa não se conheciam.

O par romântico de Mariette, João Gudunha (Albano Jerónimo), também não é exatamente igual ao que Nicolau Breyner nos deu a conhecer 25 anos antes. Nessa altura, ele aparecia desde o início como motorista da empresa dos Marques Vila, mas embriagava-se com muita frequência, contrariando a norma que diz que quem conduz não deve beber. Também é notório que ele já conhecia Mariette há bastante tempo, sabendo da sua condição de prostituta, facto que até era motivo de comentários como este: “Esta já foi hoje tantas vezes para a cama que até me deu sono”.

Gudunha em 1982...
... e em 2008

Na versão de 2008, apesar de Gudunha e Mariette serem íntimos de dona Ermelinda (Márcia Breia), nunca se viram até ao dia do incêndio que vai para o ar no primeiro capítulo. Gudunha tenta salvar Mariette, mas acaba por perdê-la de vista, ficando convencido de que ela morreu. Nos capítulos seguintes, percebemos que os dois estão sempre prestes a encontrarem-se, mas, à última hora, para criar mais expectativa junto do telespectador, esse momento é continuamente adiado.

Em 2008, Gudunha vive em casa de Alice Diniz (Rosa do Canto), mãe do seu amigo Zé Diniz (Ian Velloza), e vai trabalhar para a empresa Marques Vila a convite de dona Ifigénia (Simone de Oliveira). Entretanto, percebemos, pelas preocupações de Alice Diniz, que esta esconde um sentimento muito especial por ele, o que jamais foi pensado pelos autores da Vila Faia de 1982.

Alice Diniz

Luísa Marinhais surge nesta versão como uma autêntica vamp, o que não tem nada a ver com a vilã defendida por Glória de Matos 25 anos antes. Apesar de causar problemas a toda a gente, e de ser prepotente e arrogante até à medula, Luísa não rivalizava com Beatriz Marques Vila por causa de Gonçalo, embora o telespectador tivesse conhecimento da existência de um antigo romance entre os dois.

Luísa Marinhais em 1982...
... e em 2008

Mariano (Carlos César), o braço direito de Gonçalo Marques Vila em 1982, agora chama-se Henrique (Pepê Rapazote). A sua esposa, Sofia (Marta Leite Castro), é advogada, ao passo que na primeira versão se chamava Lúcia (Maria Salomé Guerreiro), uma dona de casa sem instrução e completamente alheia aos negócios do marido.

Verificaram-se ainda outras alterações ao nível das profissões dos personagens. Alice Diniz atualmente é mulher-a-dias, mas na primeira Vila Faia era dona de um quiosque. Zé Diniz, anteriormente mecânico de automóveis, tornou-se auxiliar de enfermagem. E Miguel Andrade passou de engenheiro a baterista.

Houve uma preocupação no sentido de libertar a novela de certas ingenuidades e de marcar bem a época atual, abordando temas como a infidelidade e a menopausa, que em 1982 eram tabus.

Do elenco da primeira versão, apenas esteve presente Virgílio Castelo, que tivera uma curta participação na novela original. O ator considerou-se orgulhoso por interpretar um papel que pertencera a Ruy de Carvalho, para ele “o melhor ator do mundo”.

Virgílio Castelo em 1982...
... e em 2008

A música Vila Faia, tema principal da primeira versão, foi incluída na banda sonora, agora na voz de Mafalda Arnauth. No primeiro capítulo, a fadista fez uma aparição, cantando na festa em casa dos Marques Vila.

Mafalda Arnauth

Até à estreia, as gravações foram feitas debaixo de algum secretismo. Um dos primeiros programas a mostrar imagens foi Sexta à Noite, talk-show de José Carlos Malato que teve curta duração.

Estiveram presentes: Simone de Oliveira, Virgílio Castelo, Albano Jerónimo, Inês Castel-Branco e também Margarida Carpinteiro.

José Carlos Malato
Simone de Oliveira
Virgílio Castelo
Albano Jerónimo
Inês Castel-Branco
Margarida Carpinteiro

O Só Visto testemunhou, nos bastidores, o encontro entre as duas Mariettes.

Vila Faia foi o primeiro trabalho de Marta Leite Castro como atriz. Enquanto gravava a novela, foi convidada a substituir Daniel Oliveira na apresentação do Só Visto, a partir de fevereiro de 2008. A apresentadora/atriz declarou, a este respeito: “Acho que a RTP não me quis perder como apresentadora e está a dar-me alguns projetos, muito pequeninos e pontuais, porque estando na novela, de segunda a sexta-feira, não me sobra muito tempo”.

Talvez para marcar a diferença no visual face à sua personagem, Marta Leite Castro colocava extensões no cabelo para a apresentação do programa.

Na semana anterior à estreia da novela, no dia 02/03/2008, o Só Visto entrevistou o ator Albano Jerónimo. No domingo seguinte, foi a vez de Inês Castel-Branco.

Duarte Teixeira, um dos realizadores, é filho de Nuno Teixeira, que esteve à frente da realização na primeira versão.

Rita Lello, Albano Jerónimo, Ruben Gomes, Inês Castel-Branco, Cleia Almeida e Mariana Norton foram escalados para o elenco fixo de Liberdade 21, série estreada em outubro de 2008. No entanto, praticamente todo o restante elenco de Vila Faia desfilou pela série em participações especiais.

À semelhança do que acontecera em 1982, também em 2008 foram colocados à venda vinhos com a marca Vila Faia.

A banda sonora, que não foi lançada comercialmente, era composta por temas de intérpretes portugueses:

VILA FAIA – Mafalda Arnauth (tema do genérico)
AUSENTE – Encores Fado (tema de Mariette)
WAKE UP SONG – You Should Go Ahead
SHORT ROAD TO SCHIZOPHRENIA – Dr. Frankenstein (tema de Gaspar)
BEM-VINDO AO PASSADO – GNR (tema de Gudunha)
NÓS NUNCA SOMOS IGUAIS – Donna Maria
POPLESS – Guardiões do Subsolo (tema de Luísa)
CASA DO CAPITÃO – Jorge Palma
SEM SAÍDA – Júnior
SINAIS DE AFECTO – Luís Represas (tema de Beatriz)
FLUTUO – Susana Félix (tema de Inês)
LUGAR ENCANTADO – Susana Félix (tema de Mariana)
CALÉ – Paulo de Carvalho (tema de Alice)
MOSTRO O MEU MONSTRO MAU – Monstro Mau (tema de Ana)
TALLY – Brent
HAVE YOU EVER DREAMED YOU’RE FALLING? – More Than a Thousand (tema de Manuel)
POIS É – Jorge Fernando / Sam the Kid
O ANDARILHO DO DESEJO – Mundo Cão (tema de Bruno)
QUER EU QUEIRA, QUER NÃO – Xaile (tema de Ifigénia)
ESSÊNCIA – Mundo Secreto (tema de Cristina)
OUTONO – Tiago Bettencourt & Mantha (tema de Nuno)
O MUNDO É JÁ AQUI – Ovo (tema de Pedro)
SHE’S A GO-GO DANCER – Wray Gun (tema de Lúcia)
OUTRA MARGEM DE MIM – Mafalda Veiga (tema de Madalena)
AMOR ABRE A JANELA – Mafalda Arnauth (tema de Mariette e Gudunha)
O HOMEM DO LEME – Xutos & Pontapés (tema de Gonçalo)
OUTRO FUTURO – Balla
POUCO TEMPO – Ana Laíns
LEMBRA-TE DE MIM – João Pedro Pais (tema de Miguel)
MOFO – Cool Hipnoise
VÉNUS E APOLO – Carlos Martins
TRASHING THE BEAUTY – Blind Zero
MISSING YA – Beto Medina (tema de Sofia)
COMO É BOM – Monstro Mau (tema de Ana e Zé Diniz)
MUDEMOS DE ASSUNTO – Sérgio Godinho e Jorge Palma (tema de Camacho)
VEM (ALÉM DE TODA A SOLIDÃO) – Dr. Frankenstein (tema de Gaspar)
CANTIGA DE AMOR – Rádio Macau (tema de Joana)
VOU FAZER-TE BRILHAR – Balla (tema de Laura)
LA MOLINERA – Roberto Leal (tema de Serôdio)

Os exteriores da casa da família Marques Vila foram gravados na Quinta do Casal Branco.

Já a sede da Marques Vila situava-se na Quinta da Fonte Bela, pertencente à DFJ Vinhos.

A família de Madalena (Sofia Sá da Bandeira) e também a de Serôdio (Paulo Pinto) residiam no condomínio Twin Towers, em Sete Rios.

A casa de Gaspar era um loft localizado na Avenida 24 de Julho.

A novela foi exibida na RTP Memória, pela primeira vez, a partir de 26/09/2019.

Partilhar:

Vila Faia (2008)